Haddad: não jogue para os empresários pagarem a conta do transporte público!

Estou inconformado em ouvir o prefeito de São Paulo Haddad dizendo que os empresários em outros países pagam um terço da conta do transporte público e no Brasil apenas 10%, conforme o link abaixo. Segundo ele, em algumas cidades do mundo o custo do transporte público é dividido igualmente entre governo, empresário e usuário.

Não tem cabimento o governo jogar mais um dever do Estado para ser pago pelos empresários. Vão criar algum imposto novo para isso?

Devido a desorganização e vários outros fatores, é muito comum os funcionários pegarem vários meios de transporte para chegar no trabalho por morarem longe. Isso representa um alto custo de transporte para as empresas. Minha empresa por opção minha não desconta nada do funcionário, mas pela lei, pode-se descontar uma parte do funcionário, mas ainda assim, na maioria das vezes a grande parte deste custo de transporte já é do empresário. Tem funcionário com salário de menos de R$1.000 em que a empresa gasta quase R$250 de transporte. É um valor totalmente desproporcional e injusto tanto com a empresa como com o usuário. Já imaginou a ineficiencia em gastar 25% de um salário com vale transporte?

Quando o Haddad fala sobre outros países, precisamos lembrar que o transporte no exterior é sempre melhor que no Brasil e custa bem mais barato. Ou seja, se os empresários pagam um terço no exterior, devem pagar menos do que já pagam as empresas no Brasil. O Haddad fala em 10% mas não sei da onde ele tirou essa informação.

Um link abaixo mostra que o Brasil possui a tarifa de ônibus mais cara do mundo. Mas é importante considerar o custo de vida e salário mínimo também. Então não pegue o valor e converta em dólares. Considere o gráfico no final da página (dentro do link) que compara o custo do transporte com o salário minimo… ai sim temos uma comparação justa.

Se os custos do transporte são altos, é porque todos os custos das empresas de transportes são inflados com impostos e custos: seja no custos trabalhistas inflados, impostos sobre combustíveis (entre os mais altos do mundo), pneus, manutenção, etc.

E por último: se o governo foi ineficiente em construir metrôs e uma malha de transportes iguais a de outros paises de primeiro mundo, porque agora o prefeito quer jogar estes custos de ineficiência e negligência nas costas dos empresários? 

Infelizmente, a sociedade (ou pelo menos a maioria das pessoas) já se acostumaram a jogar a culpa nos empresários. Só podemos culpar empresários aqueles que participam de máfias criadas pelo próprio governo ou entidades de classes como sindicatos e afins, e este é um grupo extremamente pequeno que faz grandes danos. Possivelmente o transporte público também é regido por empresas de ônibus que tem rabo preso com político e manipulam licitações. 

http://noticias.band.uol.com.br/cidades/noticia/?id=100000607229#foto1

http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/noticia/2013/06/grafico-tarifas-de-transporte-publico-pelo-mundo.html

Vale transporte pago em dinheiro: as leis dizem uma coisa, os sindicatos dizem outra, os juízes divergem e o empresário fica sem saber o que fazer igual a um tonto!

Há muitos anos, desde que tenho empresa, fico perplexo e sem saber como agir sobre assuntos mais básicos da lei trabalhista. Falo, por exemplo, sobre realizar o pagamento de vale transporte em dinheiro. Há leis (ou decretos, sei lá) que dizem que vale transporte não é caracterizado salário. Outra lei diz que qualquer pagamento em dinheiro é salario. Ai vem o sindicato e coloca na convenção coletiva que pagar em dinheiro não tem problema. Depois eu falo com advogados que dizem o contrário, afinal, um sindicato não manda mais do que a lei. Mas ai vem alguém dizer que um acordo coletivo tem valor. Ai vejo decisão de juiz dizendo que não pode.

Lendo artigos diversos, vejo que os juízes dão ganho de causa aos funcionários, ou seja, não pode pagar vale transporte em dinheiro. Agora li que o TST decidiu que vale transporte em dinheiro não caracteriza salário. Ou seja, nem mesmo os juízes se entendem.

Me lembro também que há poucos anos, não existia cartão magnetico recarregável e o funcionário tinha que andar com vários passes de acordo com a origem, destino, cidade, empresa do onibus, etc. Naquela época ainda tinhamos que pagar taxas extras para empresas intermediárias enviarem os passes até a empresa pelo correio ou ainda ir comprar no guichê correndo o risco de um assalto. Hoje pelo menos o transporte público possui cartões magnéticos que funcionam em praticamente todos os meios de transporte e também podemos comprar créditos direto na internet sem pagar adicionais.

Vemos então que este assunto ou dúvida vale para 100% das empresas. Como podemos ter esta insegurança de tomarmos uma multa e perder processos trabalhistas em algo que é tão trivial como pagar um vale transporte?? Imaginem os funcionários que gastam de R$150 a R$200 de vale transporte por mes… Vamos supor que ele trabalhe 10 anos, imagina a fortuna que a empresa terá que pagar de verba rescisória, decimo terceiro salario, ferias, etc!!!

Se existe esta incerteza em um assunto tão básico como pagamento de vale transporte, fico até com medo de pensar assuntos um pouco mais complexos! A empresa nunca sabe ao certo como agir, e por isso, sempre corre o risco de um processo trabalhista ja que cada juiz pode interpretar a lei de uma forma diferente.

Tem cabimento o TST demorar décadas para decidir se o vale transporte pode ou não ser pago em dinheiro?? E os empresários ficarem sem saber o que fazer, com cara de palhaço!!! É assim que me sinto tratado: um palhaço. Um tonto.

http://ultimainstancia.uol.com.br/conteudo/noticias/58598/tst+decide+que+vale+transporte+nao+tem+natureza+salarial+e+pode+ser+pago+em+dinheiro.shtml