Greve dos caminhoneiros: preços dos alimentos sobem (na última greve quando faltou combustível, aumentar o preço do combustivel era crime)

Conforme vemos nos noticiários em geral, a greve dos caminhoneiros está causando aumento dos preços de alimentos pelo Brasil. Viagens mais longas, mais alimentos estragados, entre outros fatores, acabam aumentando os custos dos alimentos, que são repassados ao consumidor, seguindo também a lei da oferta e da demanda.

O que eu não entendo é: por que quando houve a greve dos caminhoneiros que deixaram de transportar combustível, os postos de combustível foram proibidos de subir os preços e alguns ainda foram presos ?? Como se a greve tivesse sido causada pelos donos de postos de gasolina !?!? Alegaram que os donos estavam sendo oportunistas para ganhar mais dinheiro. Na realidade os postos de gasolina PERDERAM muito dinheiro, afinal, mesmo com preços mais altos, o volume de vendas caiu quase a zero. Não tenho posto de gasolina, mas imagino que eles passaram por muitas dificuldades, porque vendendo ou não, com greve ou não, existem os custos fixos e contas para pagar do mesmo jeito.

http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2012/07/greve-de-caminhoneiros-afeta-preco-de-alimentos-no-es.html

Enquanto os impostos e taxas ficarem embutidos/escondidos nos preços, a população não vai saber os impostos que são cobrados e não haverá pressão para baixá-los.

No Brasil, as empresas são obrigadas a embutir todos os impostos nos preços, taxas de boleto e cartão de crédito e todos os custos extraordinários, assim a população não sabe tudo aquilo que está compondo seus preços. Os impostos são maiores são PIS/COFINS/IRPJ/ICMS/IPI.

Temos que nos basear em países mais desenvolvidos onde as coisas funcionam, e neste caso, vou mencionar os Estados Unidos, onde os preços nas etiquetas não incluem os impostos. Os impostos são adicionados no ato do pagamento. Ou seja, o preço do produto será o mesmo em qualquer lugar do pais, porém cada estado poderá cobrar impostos diferentes.

A guerra fiscal por qual estamos passando no Brasil não é de conhecimento da população, e tenho certeza que se os impostos fossem adicionados aos preços das etiquetas, os consumidores automaticamente iriam querer comprar dos estados que cobram menos impostos, saber o quanto o governo está roubando e facilitar a vida das empresas. Atualmente as empresas precisam ter várias tabelas de preços pois cada estado cobra da empresa alíquotas diferentes baseados no estado de origem e destino. As fórmulas são bem complexas e por isso, enviar um orçamento não é um trabalho simples.

As taxas dos cartões de crédito é um outro exemplo. Como os consumidores não pagam as taxas dos cartões, não faz diferença usar o Mastercard ou Visa ou outros que estão surgindo. No momento em que o consumidor pagar taxa de 4% no Mastercard e 5% no Visa, eu tenho certeza que os clientes vão escolher pagar pelo mais barato e incentivar a concorrência no setor. As empresas e os consumidores ganhariam com isso.

A medida que as informações ficam claras para os consumidores, a livre concorrência aumenta, assim como a pressão da sociedade para redução de impostos, ou pelo menos, faz as pessoas pensarem mais a respeito. São poucos os empresários no Brasil e não temos como fazer muita pressão no governo ou na sociedade, sem a adesão da população.