Econ demite 150 e obviamente sem pagar verbas recisórias. Multa de 40% do FGTS na demissão é palhaçada contra as empresas.

Já escrevi outros artigos contra os altíssimos valores referentes às verbas rescisórias, em especial a multa de 40% ou 50% de multa do FGTS. Como empresário, sou veemente contra uma multa estratosférica quando se demite um funcionário.

Primeiro porque assim um funcionário nunca vai pedir as contas, sempre vai fazer corpo mole para receber a multa, ou querer fazer acordo. Afinal, a lei só vale quando prejudica a empresa, quando prejudica o funcionário sempre julgam que a empresa tem o dever de fazer “acordo” mesmo sendo crime. Nestes casos, a empresa não tem escolha e fica obrigada a fazer acordo, afinal, o que adianta manter um funcionário corpo mole que vai prejudicar e ficar falando mal da empresa??

Essa multa do FGTS é aquela conta (entre muitas) que a empresa e o empresário só descobre o tamanho do rombo quando é tarde demais, são os custos ocultos numa empresa que nunca consideramos na formulação dos preços. Somos sempre pressionados pela concorrência e hábito dos consumidores a sempre ter o preço mais baixo, acabamos empurrando estes custos com a barriga, até que alguma hora temos que pagá-los.

Se a idéia for nunca tirar qualquer benefício do funcionário, então porque não aumentar o recolhimento mensal do FGTS e eliminar a multa no final?? Assim, as empresas não tem surpresas e contas milionárias bem na hora em que não pode. A empresa está indo mal, fica no vermelho, tem que demitir e ainda pagar uma fortuna?

A medida em que o custo fica mais evidente nas contas mensais, o empresário já toma medidas imediatas e analisa se realmente tem condições de pagar pelo funcionário. Se a conta não fechar, fica mais fácil se recuperar, tem que demitir na hora, automatizar mais, não contratar novos funcionários nem propor salários altos que não poderão ser cumpridos no final.

Essa multa de 40% prejudica os próprios trabalhadores, pois acabam nunca vendo a cor deste dinheiro, como neste caso da Econ, ou são obrigados a ficar trabalhando infelizes numa empresa sem coragem de pedir demissão. Vão ter que entrar na justiça e receber este dinheiro em não sei quanto tempo, além de aumentar os gastos da máquina publica com processos. E processos a justiça já está cheio.

Se a Econ está realmente sem dinheiro para pagar todo mundo (ou se é golpe), eu não tenho como julgar. Mas me parece bem complicado concorrer com grandes redes do tipo Carrefour, Pao de Açúcar, Extra e outros que negociam grandes contratos e compram volumes infinitamente superiores com maior poder de pechincha. Cada vez mais o mundo está ficando monopolizado com grandes multinacionais dominando tudo e fechando os “pequenos e médios”.

FGTS 10% = Imposto Provisório que finalmente vai ser extinto

Coisa rara no Brasil é um imposto ser reduzido ou extinto. As estatísticas não mentem que o percentual de impostos sobre o PIB só aumentou ano após ano, década após década. A criação da CPMF, cujo P significava provisório já virou depois P de permanente. A extinção do CPMF foi um milagre e ouvimos algumas vezes a idéia de retornar com ela.

Fico muito feliz em ouvir que a multa de 10% do FGTS também vai ser extinta. Afinal, os custos de demissão de um funcionário já são astronômicos e já escrevi diversos artigos que não deveria haver diferenciação entre pedir as contas e ser mandado embora. Nenhum funcionário pede as contas… fazem corpo mole até serem mandados embora ou pedem (ou exigem) ser mandados embora para ganharem um monte de benefícios.

Agora o argumento destes partidos comunistas dizendo que o dinheiro era usado para o “Minha Casa Minha Vida” não faz sentido. Afinal, todo e qualquer imposto é pago ao governo e deveria em teoria retornar em investimento para a população, ou seja, saúde, educação, transporte, moradia, etc. Infelizmente sabemos que estes impostos nunca são revertidos para o povo e param sempre no bolso dos políticos (inclusive destes comunistas) e sindicatos.

Acabei de demitir uma funcionária que fazia corpo mole, trouxe prejuízos à empresa e, mesmo assim, tivemos que pagar todos seus “direitos”.

Uma funcionária da empresa começou a fazer corpo mole nos últimos meses e nas últimas semanas ficou algo gritante. É um caso típico do funcionário que quer sair da empresa mas não pede as contas para não perder o aviso prévio, seguro desemprego, multa do FGTS, entre outros valores.

 

Na semana seguinte, já percebemos que esta funcionária tinha deixado de mandar documentos importantes para a contabilidade. Tivemos que pagar multas por atraso de pagamento de impostos, contas a pagar vencidas que foram esquecidas, papéis arquivados totalmente errados, mal trato a clientes, ou seja, nunca saberemos tudo que ela aprontou. O pior é que não podemos descontar um centavo de todas as verbas rescisórias, afinal, o TST é cego e dificilmente dá ganho de causa a empresas. Estamos corrigindo as merdas dela ao longo das próximas semanas. A lei trabalhista tem muitos mecanismos de proteção artificial ao trabalhador e esta distinção de direitos para “pedir as contas” e “ser mandado embora” é um grande absurdo. Ou seja, se um funcionário pede demissão, tanto a empresa como o governo deixa de pagar um monte de coisa. Quando a empresa manda embora, tanto a empresa como o governo pagam fortunas ao demitido e garantem várias benesses. A lei mostra a intenção de quem criou as leis: “quando a empresa manda embora, a empresa é considerada uma vilã exploradora e o funcionário é um coitado que tem que receber valores para garantir sua sobrevivência por vários meses. Quando um funcionário pede as contas, ele não merece nada considerando um luxo ter pedido as contas”. Poxa vida, é totalmente aceitável que um funcionário possa se cansar da empresa ou dos colegas ou mesmo queira tentar buscar melhores oportunidades de emprego em outra empresa. Porque criar situações tão opostas para pedir as contas e ser mandado embora?? As leis trabalhistas (assim como os comunistas) esquecem dos fatores motivacionais e que as pessoas tem emoções e existem muitos fatores psicológicos envolvidos no trabalho. As leis também não aceitam distinção de remuneração para pessoas mais produtivas ou “que dão o sangue”. Então quando um funcionário faz corpo mole, ele continua ganhando a mesma coisa que um funcionário mais empenhado. Fica muito comodo fazer corpo mole para a empresa mandar embora.

Por isso, digo a qualquer empresário: mesmo sendo bem caro, se um funcionário diz que quer sair, mande-o embora. Afinal, ele vai começar a fazer corpo mole e trazer prejuízos muito maiores a empresa. A maioria jamais pedirá as contas… ficará meses ou anos enrolando e ainda criando um clima horrível dentro da empresa.

Lembre-se disso e dos altos valores de verbas rescisórias ao contratar um funcionário e definir seu salário. Quanto mais você paga hoje, maior será a mordida no final. Com tantas leis trabalhistas absurdas e altos custos, o medo do empresário só aumenta ao elevar salários. Por isso, os salários são sempre os menores possíveis para reduzir os riscos.