Greves generalizadas causam prejuízos enormes e elevação de custos num país que deixa todos na mão de poucos “monopólios”.

Este mês fui informado de duas greves (Correios e fiscais nos portos) e parei para pensar: já estamos tão acostumados com greves, que não nos damos conta do tamanho do buraco. O Brasil parece ser o país da greve. Sindicatos foras da lei e com poderes demais, crise eterna no Brasil que deixam os trabalhadores eternamente em situações precárias, estrutura péssima que não oferece qualquer alternativa ao empresários ou população. As greves claro que atingem fortemente a população em geral, mas também causam enormes prejuízos às empresas.

Só pra lembrar algumas: caminhoneiros, correios, fiscais da receita federal nos portos, bancários, todos transportes públicos, ministérios do trabalho, aeronautas, entre outras, que afetam todas empresas diretamente. E outras greves que afetam indiretamente: professores, INSS, hospitais, coleta de lixo, etc. Vou comentar apenas alguns:

Caminhoneiros: atraso nas entregas, perda de produtos perecíveis, caos no trânsito, clientes insatisfeitos com atrasos, aumento de custo para buscar alternativas; o Brasil não tem ferrovia nem hidrovia, então não temos alternativas de baixo custo;

Correios: entregas de pedidos, peças para conserto, documentos urgentes (num país com nossa burocracia, isso se torna mais grave), boletos não entregues que faz clientes atrasarem pagamentos. Como os Correios são subsidiados pelo governo, todas as alternativas são muito mais caras (Fedex, UPS, Azul, etc).

Fiscais nos portos: simplesmente bloqueia toda importação no Brasil. A indústria brasileira está quebrada e falida, então o Brasil depende totalmente de produtos importados, seja em peças acabadas, peças ou matérias primas. Mesmo sem receber a importação, somos obrigados a pagar o exportador fora do Brasil. Atrasamos entregas aos clientes sem poder passar qualquer previsão, gerando um efeito em cascata em todos os segmentos imagináveis (desde eletrônicos, farmacêuticos, alimentícios, industriais, etc). Não existe alternativa.

Transporte público: seja metro, ônibus ou trem, representa faltas e atrasos de funcionários. Equipes incompletas atrasam produção, desgastam funcionários que ficam menos produtivos, além do caos geral no transito causando atrasos em entregas, reuniões, visitas, etc. Qualquer alternativa vai fazer você levar o dobro de tempo.

Como podem ver, muitas vezes não temos alternativa, ou quando temos, elas são astronomicamente mais caras. Ocorre aquele caso típico em que os preços finais de todos os produtos ficam mais caros num efeito cascata (com empresas obrigadas a absorver a maior parte do aumento de custos pois dificilmente conseguimos repassar estes custos supresa). O problema é que no Brasil os custos surpresas aparecem sempre de todos os lados, então quem não quiser falir, tem que aumentar a gordura no preço pois não é surpresa para ninguém que sempre vai haver custos aparecendo de supresa.

Custo do Frete de Carga entre Santos e São Paulo é mais alto do que trazer a mesma carga de qualquer parte do mundo para Santos.

Importei recentemente uma carga que veio da Europa com destino final em São Paulo. Carga fracionada composta por alguns paletes, e não container fechado.

Minha transportadora internacional coletou esta carga no fornecedor, rodou 150 km rodoviário ate chegar no porto na Europa. De lá a carga foi do porto na Europa de navio até Santos. Custo Total: R$500

Despesas no porto de Santos: R$2000

Custo do Frete de Santos até São Paulo: R$900

Meu Deeeeus !!!! São menos de 100 km percorridos entre Santos e São Paulo e paguei duas vezes mais do que o percorrer milhares de kilometros do interior da Europa até Santos.

E chega no porto de Santos, uma burocracia e demora danada que só, e tenho que pagar R$2000 para a carga ficar 1 ou 2 semanas lá ?!?!?

Esse é apenas 1 parte do custo Brasil !!! Depois me perguntam porque meu produto custa mais que o dobro quando comparam com sites na Europa.

O caos no Brasil vivido pelas pessoas é igual ou pior para as empresas.

Considerando que são raríssimas as pessoas que se arriscam em abrir seu próprio negócio e sentir na pele o que é abrir uma empresa e ser empresário, vou fazer uma analogia bem simples. Todo caos vivido por todos nós cidadãos como “pessoas físicas” são iguais ou pior do que os vividos pelas pessoas jurídicas.

Nós como cidadão vemos que nada funciona: não temos saúde, hospitais, escolas, ruas todas esburacadas, o governo roubando a maior parte do seu salário, racionamento de água, transito caótico, burocracia enorme para fazer qualquer coisa, filas intermináveis e demora nos órgãos públicos, a impressão de que a lei só funcionam para poucos e nunca para nós mesmos, gente errada fazendo atrocidades todos os dias sem serem punidos e muita corrupção. Essa lista pode se estender muito ainda.

Se isso prejudica a sua vida como pessoa física, imagine a vida do empresário… muitas coisas que representam perda de tempo para as pessoas, representam altos prejuízos para as pessoas jurídicas. Uma fila num órgão público te toma muito tempo, para a empresa representa um gasto com funcionário que ganha por hora trabalhada. Se o pedágio é caro para você, para uma empresa, pagamos muito mais e encarece o custo de transporte no Brasil todo. Se você acha que é roubado pelo governo, vocês não sabem o que é ter uma empresa. A fiscalização sobre os cidadãos é uma… sobre as empresas é muito maior e cada vez mais cruzando informações, ou seja, tomamos multas e notificações sem precisar de fiscalização. Se a falta de luz deixa muita gente tomando banho gelado, para uma empresa representa produção parada e gasto com mão de obra parada.

Em suma, quando forem comparar os preços de qualquer produto fora do Brasil e dentro do Brasil levem tudo isso em conta que gera uma cascata de custos e impostos, e todo este famoso custo Brasil mais falado pelos empresários do que pelas pessoas comuns, mas que se colocados na ponta do lápis, vendemos tudo a preços caros, mas com margens de lucro muito menores do que no exterior.

Nem a Rede Globo escapa de pagar multas ao governo.

Pouco tempo após eu publicar um artigo sobre uma multa bilionária da Petrobrás, vejo que a Rede Globo também não escapou. Sim, tida como uma das empresas mais poderosas do Brasil que tudo pode… Isto reitera a complexidade das leis brasileiras e custo Brasil. Nem mesmo uma Rede Globo tem condições de pagar os impostos de acordo com a lei. Se pagar tudo conforme manda a cartilha, fecha as portas. A outra opção é ter um enorme time de advogados para encontrar brechas na lei para reduzir o impacto dos impostos, e ficar sempre sujeito a diferentes interpretações e multas milhonárias. É gente, nem mesmo as grandes pagam todos os impostos… imaginem as pequenas… como sobrevivem?

Veja meu artigo anterior abaixo…

https://empresarioheroi.wordpress.com/2013/06/15/multa-da-petrobras-de-r7-bilhoes-por-suposta-divida-tributaria-mostra-que-todas-as-empresas-no-brasil-ficam-na-mao-dos-fiscais-do-governo-e-podem-fechar-as-portas-a-qualquer-momento-com-leis-desatual/

 

Empresários: abracem a causa. Protestos pelo Brasil refletem altos impostos sem retorno nenhum para a população, enquanto os políticos esbanjam nosso dinheiro.

A criação deste meu blog foi exatamente a revolta contra o governo e a impossível missão de manter uma empresa no Brasil. Vejo com estes protestos, que esta revolta não é só minha. Ninguém sabe apontar o que é pior no Brasil pois é tudo péssimo.

Minha empresa paga um absurdo de impostos, por isso, naturalmente não temos como pagar salários dignos. Assim como a maioria das pequenas e médias empresas, a média salarial fica entre R$1.000 e R$3.000… alguns poucos entre R$5.000 e R$6.000. Dos funcionários são descontados vários valores estipulados por lei. O governo não dá absolutamente nada, então deste salário o brasileiro paga mais impostos, pagamos altos valores com transporte, gasolina, remédio, plano de saude particular, e todos produtos que compramos com valores inflados pelos altos impostos. No final do mês não sobra nada de dinheiro. A classe trabalhadora praticamente vive uma vida muito simples e não pode contar com nenhum serviço público.

Então os custos com mão de obra ficam altos para as empresas e os funcionários ficam sempre achando que ganham pouco, afinal, nunca sobra nada no final do mes tanto para as empresas como para os funcionários. Qualidade de vida péssima para todos e muitas horas perdidas no transito por semana.

A maioria das empresas mal tem condições de manter o imóvel em ordem. Os máquinários normalmente ultrapassados e obsoletos. Computadores novos é um privilégio de poucas empresas.  Paredes mal pintadas. Puxadinhos, gambiarras e salas improvisadas. Nenhuma empresa tem dinheiro sobrando.

Realmente a situação é um caos total tanto para empresários como a população em geral.

E depois vemos políticos com dezenas de assessores ganhando fortunas, funcionários fantasmas, deputados trabalhando no máximo 2 dias por semana. Corrupção por todos os lados, desperdício de dinheiro público, salários exorbitantes e entidades públicas virando cabide de empregos.

O governo fica por décadas sem investir em metro e agora toda a população sente isso na pele. Transito insuportável, chegando numa situação de difícil solução. Afinal, como reduzir o custo da tarifa dos ônibus se eles ficam o dia inteiro parados no transito? Temos cidades (o país inteiro) ineficientes que entraram num círculo vicioso difícil de sair.

Espero que estas manifestações resultem em mudança efetiva.

Multa da Petrobrás de R$7 bilhões por suposta dívida tributária mostra que todas as empresas no Brasil ficam na mão dos fiscais do governo e podem fechar as portas a qualquer momento com leis desatualizadas ou ambíguas.

Fiquei surpreso ao ler que a Petrobrás está sendo multada em mais de R$7 bilhões de reais por suposto não recolhimento de impostos. Pesquisando mais sobre o assunto, vejo que praticamente todas as indústrias brasileiras multinacionais passaram por problemas similares, como por exemplo, Ambev, Vale, CSN, Votorantim entre outras gigantes. Disso podemos tirar as seguintes conclusões:

a) Nenhuma empresa consegue sobreviver se pagarmos todos os impostos que o governo exige. Os pequenos e médios empresários simplesmente quebram ou vivem um círculo vicioso comum de estagnação da empresa, remunerando super mal seus funcionários, sem condição em pesquisa e desenvolvimento, compra de maquinários e tantos outros investimentos que são necessários para tornar uma empresa competitiva e viável.

b) Não só pequenas e médias empresas fazem operações irregulares para pagar menos impostos. Os pequenos fogem dos impostos não emitindo notas fiscais pois é o máximo que sabemos fazer. Grandes empresas fazem outras irregularidades que são mais difíceis de serem detectadas pela maioria das pessoas. Ou seja, grandes empresas pressionam os fornecedores e parceiros a trabalharem 100% na linha com notas fiscais e recolhimento de impostos, se dizem totalmente regulares para os parceiros e para a sociedade, mas internamente não recolhem os tributos que deveriam;

c) Grandes empresas tem condições de contratar grandes consultorias jurídicas e encontrar brechas nas leis para pagar menos impostos. Nossas leis são super complexas e requer vários advogados para discutir as possibilidades e interpretar as leis. Quando são autuadas, esta mesma equipe de advogados pode elaborar excelentes defesas. As pequenas e médias empresas não tem condições de contratar estes mesmos advogados, por isso, pagam o máximo de impostos, cometem erros e ainda não tem defesa em caso de processo.

d) Com leis tão complexas que permitem tantas diferentes interpretações, qualquer empresa do Brasil pode quebrar do dia para a noite em qualquer fiscalização. Ficamos nas mãos dos fiscais que podem agir do jeito que eles quiserem, pois eles sabem que vão encontrar irregularidades e interpretam as leis da maneira que convém e considerando impostos máximos. Isso fomenta a corrupção dos fiscais e portanto também dos governantes. Como um leitor mesmo descreve: uma empresa autuada tem será obrigada a contratar uma consultoria da esposa do governador e como mágica as multas são esquecidas.

Neste círculo vicioso de altos custos e insegurança constante, o Brasil continuará não sendo competitivo e não atraindo indústrias estrangeiras. Elas fabricam fora do Brasil e mantêm somente um estoque local. Ou se forem fabricar no Brasil, abastecerá exclusivamente o mercado interno, pois não terá competitividade para exportar.

http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/06/14/stj-suspende-pagamento-bilionario-da-petrobras-ate-decisao-final-da-justica.htm

http://veja.abril.com.br/noticia/economia/receita-multa-em-r-60-bi-multinacionais-brasileiras

Infraestrutura de transportes do Brasil não evoluiu nos últimos 10 anos.

Vemos cada vez mais artigos mostrando a triste realidade do Brasil. Sempre tido como o país do futuro, como a “bola da vez”, desemprego zero, sem crise, vemos que o país está na realidade estagnado e anos luz de qualquer país desenvolvido.

Esta matéria abaixo não só mostram que o Brasil não evoluiu sua estrutura logística como também possuem custos e burocracias sem igual no mundo:

http://www.fiesp.com.br/noticias/jornal-nacional-mostra-estudo-da-fiesp-que-revela-atraso-do-brasil-em-indicadores-logisticos/

Quantas viagens você fez de trem na vida que não fosse para chegar no trabalho? Nenhuma… claro… praticamente não temos ferrovias. Exceto algumas multinacionais que transportam grãos ou alguns poucos commodities. Quando mesmo ficará pronto o trem bala? 10 anos, 20 anos, ninguém sabe.

Qual estrada pública você considera boa? Quantas vezes você tem que pegar estrada de terra por ano?? Temos que lembrar que o Brasil são dois países distintos: dentro do Estado de São Paulo e fora do Estado de São Paulo. Chegar em muitas cidades do interior do país é um grande desafio.

Dos nossos portos, todos estão saturados, enfrentam burocracias tremendas, filas para carregar e descarregar, vários dias para liberar uma carga.

E o transporte aéreo? O fato de muita gente andar de avião hoje é graças ao investimento privado e companhias aéreas que oferecem passagens de avião mais baratas que passagens de ônibus. Se fosse depender dos aeroportos ou do governo, estaríamos perdidos.

Infelizmente ficar estagnado por 10 anos é perder pelo menos 20 anos. Afinal, mesmo o mundo todo estando em crise, todos os países desenvolvidos continuam investindo em infraestrutura e o Brasil vai ficando cada vez mais para trás e menos competitivo no mercado mundial de qualquer produto.