Sindicato dos Metúrgicos estão exigindo que cada funcionário pague 8% de seu salário. Isso é roubo.

Como se não bastasse os bilhões de reais que os sindicatos recebem por ano do governo, mais o valor de 1 dia de trabalho de cada funcionário e cobrar valores das empresas, agora o Sindicato dos Metalurgicos de São Paulo de nosso amigo Lula se superou na roubalheira.

No mes de fevereiro, todos funcionários deverão pagar uma “contribuição” no valor de 8% de seu salário. Os funcionários tem apenas 10 dias para se opor (sendo que a publicação da convenção coletiva leva semanas para ser entregues).

Conclusão: sindicatos só querem saber de encher os próprios bolsos, roubam das empresas e dos funcionários e do governo.

O funcionário ganha menos, fica sem dinheiro para pagar suas contas e depois vão reclamar que ganham baixos salários. Claro, com o sindicato e governo roubando grande parcela dos salários, nunca vai sobrar nada para os trabalhadores.

O pior é saber que tudo isso que eu escrevi é oficial, tudo documentado.

Nenhum funcionário tem coragem de entrar na justiça contra este roubo por medo de ser boicotado futuramente pelo sindicato, apesar de todos estarem reclamando lá na empresa.

IMG_2656

Apenas uma empresa tem direito de vender “pau de selfie” no Brasil.

Como apenas esta empresa tem registro na Anatel, todos os concorrentes são considerados ilegais ou piratas.

Conforme mencionei em outros artigos, o governo adora criar as certificações brasileiras (INMETRO, Anatel, INPI e o diabo a quatro). Empresas gastam fortunas para homologar produtos e aumenta as dificuldades na importação de produtos novos por criar regras exclusivas no Brasil que não existe em nenhum outro país (o pior caso é o novo padrão de tomadas).
Então uma empresa cumpre todo esse processo burocrático, gasta fortunas e na hora de ganhar dinheiro aparecem zilhões de produtos falsos e piratas.

http://exame2.com.br/mobile/tecnologia/noticias/esta-empresa-e-a-unica-que-pode-vender-pau-de-selfie-no-pais

O pau de selfie é apenas um exemplo. Tenho certeza que assim como eu, ninguém sabia desta história do tão famoso pau de selfie.

Poucas empresas dominam as gôndolas de supermercados. Pequenas e médias empresas não conseguem competir.

Se você parar para pensar, a maioria dos produtos nos supermercados foram fabricadas pela Unilever, Nestlé, Procter & Gamble, Kraft e Coca-Cola. Afinal, elas compraram várias empresas menores e foram agregando novos produtos.

http://cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FEconomia%2FA-concentracao-das-empresas-nas-gondolas-do-supermercado%2F7%2F32575

Alguns podem dizer que o CADE deveria impedir a concentração de mercado na mão de poucos, mas isso não vai resolver a raiz do problema. O governo deveria dar condições para o empreendedorismo no Brasil, ou seja, ter uma política voltada em incentivar pequenas empresas a serem abertas. E incentivos para que as médias empresas fiquem grandes. Como uma empresa brasileira, que vive num ambiente corrupto, de altos impostos e custos trabalhistas e sem planejamento vai querer competir com empresas americanas onde as empresas são estimuladas a crescer e estão num ambiente que favorece o empreendedorismo?

Não estou falando somente dos Estados Unidos. Infelizmente existe 119 países melhores para fazer negócios do que o Brasil. Como competir com eles que chegam no Brasil cheio de dinheiro para investir e máquinas de última geração (e ainda ganhando milhões de benefícios do governo brasileiro)?
http://exame.abril.com.br/economia/noticias/brasil-e-o-120o-melhor-lugar-para-negocios-diz-ranking

É humilhante empresas de outros países dominarem nosso país, ou seja, estamos perdendo em nosso próprio território.

Agora pedir para o CADE proibir a entrada destas empresas é a mesma coisa que o governo faz com produtos importados. Aumentar os impostos de importação impedem eles de entrar, mas deixa a população sem acesso a bons produtos e pagando muito mais caro por tudo, enquanto nossas empresas ficam sucateadas, protegidas e sem ambiente para se desenvolver de forma saudável. Isso é tapar o sol com a peneira e ter preguiça, medo ou incompetência de encarar a raiz do problema.

Meu empregado perdeu na justiça do trabalho. Chupa!!

Tive um empregado que entrou na justiça do trabalho pedindo mais de R$100 mil reais sem provas tendo trabalhado menos de 3 anos na empresa. Já escrevi vários artigos mencionando a fábrica de processos trabalhistas no Brasil pelo fato do funcionário não gastar nem um centavo e os juízes darem ganhos de causa aos empregados mesmo sem fundamento legal. Desta vez, tive um sentimento que as coisas podem estar mudando um pouco. O juiz estabeleceu um valor irrisório para ser pago ao funcionário, ou seja, de 30 alegações, o empregado ganhou apenas uma de valor ínfimo.
Além do juiz emitir sua decisão, o advogado do empregado perdeu o prazo para recorrer. Ou seja, um processo que se arrastava há mais de 3 anos, poderia se arrastar por mais 3 ou 5 anos, mas o advogado do empregado pisou na bola. Isso é o que acontece com advogados que não cobram nada de seus clientes e pegam zilhões de processos ao mesmo tempo.

Será que os juízes estão percebendo o mal que estavam fazendo com sua política 100% paternalista?