Fila interminável de caminhões trava Santos e mostra a porcaria da infraestrutura logística no Brasil

 

Que vergonha tenho em ver uma fila interminável de caminhões esperando para chegar no Porto de Santos. Agricultores conseguem safras recorde de soja com investimento e tecnologia, mas infelizmente barram na total falta de estrutura logística no Brasil. O governo agora querer impor multas é totalmente descabido. Ou seja, o governo é incapaz de construir um porto decente, é incapaz de fazer ferrovias, estradas largas. Ao contrário, aumentam os custos dos agricultores e empresários e inventam multas. Como se não bastasse a longa fila nos portos, grande demora para atracar e carregar os navios, agora querem exigir que os caminhoes venham aos poucos e atrasem ainda mais as entregas da soja e obviamente atrasar o recebimento do pagamento do cliente final.
O governo ja mostrou que nao tem nenhuma competencia para gerenciar um porto. Agora estao percebendo a importancia da privatizacao, mas mesmo assim, aparecem sindicalistas para tentar melar tudo. Claro, essa ineficiencia toda com certeza favorece muitos sindicalistas e governantes que conseguem roubar mais no meio deste caos.

 

http://www.grandefm.com.br/noticias/brasil/prejuizo-com-filas-no-porto-de-santos-chega-a-r-115-milhoes-diz-sindicato

http://www.onortao.com.br/noticias/multa-de-ate-r-2-mil-por-caminhao-que-chegar-a-santos-sem-agendamento,11443.php

O caos no Brasil vivido pelas pessoas é igual ou pior para as empresas.

Considerando que são raríssimas as pessoas que se arriscam em abrir seu próprio negócio e sentir na pele o que é abrir uma empresa e ser empresário, vou fazer uma analogia bem simples. Todo caos vivido por todos nós cidadãos como “pessoas físicas” são iguais ou pior do que os vividos pelas pessoas jurídicas.

Nós como cidadão vemos que nada funciona: não temos saúde, hospitais, escolas, ruas todas esburacadas, o governo roubando a maior parte do seu salário, racionamento de água, transito caótico, burocracia enorme para fazer qualquer coisa, filas intermináveis e demora nos órgãos públicos, a impressão de que a lei só funcionam para poucos e nunca para nós mesmos, gente errada fazendo atrocidades todos os dias sem serem punidos e muita corrupção. Essa lista pode se estender muito ainda.

Se isso prejudica a sua vida como pessoa física, imagine a vida do empresário… muitas coisas que representam perda de tempo para as pessoas, representam altos prejuízos para as pessoas jurídicas. Uma fila num órgão público te toma muito tempo, para a empresa representa um gasto com funcionário que ganha por hora trabalhada. Se o pedágio é caro para você, para uma empresa, pagamos muito mais e encarece o custo de transporte no Brasil todo. Se você acha que é roubado pelo governo, vocês não sabem o que é ter uma empresa. A fiscalização sobre os cidadãos é uma… sobre as empresas é muito maior e cada vez mais cruzando informações, ou seja, tomamos multas e notificações sem precisar de fiscalização. Se a falta de luz deixa muita gente tomando banho gelado, para uma empresa representa produção parada e gasto com mão de obra parada.

Em suma, quando forem comparar os preços de qualquer produto fora do Brasil e dentro do Brasil levem tudo isso em conta que gera uma cascata de custos e impostos, e todo este famoso custo Brasil mais falado pelos empresários do que pelas pessoas comuns, mas que se colocados na ponta do lápis, vendemos tudo a preços caros, mas com margens de lucro muito menores do que no exterior.

Noticiam o óbvio: Copa do Mundo tem risco de ter apagão de mão de obra

Outro artigo muito repetido aqui que aparece quase todo dia nas manchetes: apagão de mão de obra. A matéria diz em risco de apagão de mão de obra para a Copa do Mundo. Isso reflete a realidade vivida por todas empresas: apagão de mão de obra, pouca qualificação e pessoas pedindo salários muito acima.

A Copa do Mundo com certeza trará muitos turistas ao Brasil e vai movimentar todas as cidades sedes. Agora se já temos falta de mão de obra no dia a dia, imagine na Copa em que a demanda cresce muito.

Acredito que um dos principais fatores de qualificação necessários para atender ao turista estrangeiro que visitará o Brasil é falar outros idiomas e isso o brasileiro é uma vergonha. Muitos analfabetos funcionais que mal escrevem em português. Pouquíssimos falam inglês (ou acham que falam porque fizeram curso a vida inteira e não aprendeu nada). Se nem inglês se fala, não vou nem comentar um outro idioma…

Mesmo assim, a maioria das pessoas que não falam inglês serão contratadas da mesma maneira porque não temos opção, mesmo sendo um pre-requisito básico.

Exatamente isso ocorre atualmente nas empresas… contratamos funcionários que não atendem nem os mínimos pre-requisitos da função por não termos opção. E apesar disso, os salários pagos aumentam assustadoramente. Ou seja, produtividade baixa, altos custos na visão das empresas. E na visão do consumidor, preços caros e baixa qualidade.

http://economia.ig.com.br/2014-02-07/copa-do-mundo-tem-risco-de-apagao-de-mao-de-obra.html

Econ demite 150 e obviamente sem pagar verbas recisórias. Multa de 40% do FGTS na demissão é palhaçada contra as empresas.

Já escrevi outros artigos contra os altíssimos valores referentes às verbas rescisórias, em especial a multa de 40% ou 50% de multa do FGTS. Como empresário, sou veemente contra uma multa estratosférica quando se demite um funcionário.

Primeiro porque assim um funcionário nunca vai pedir as contas, sempre vai fazer corpo mole para receber a multa, ou querer fazer acordo. Afinal, a lei só vale quando prejudica a empresa, quando prejudica o funcionário sempre julgam que a empresa tem o dever de fazer “acordo” mesmo sendo crime. Nestes casos, a empresa não tem escolha e fica obrigada a fazer acordo, afinal, o que adianta manter um funcionário corpo mole que vai prejudicar e ficar falando mal da empresa??

Essa multa do FGTS é aquela conta (entre muitas) que a empresa e o empresário só descobre o tamanho do rombo quando é tarde demais, são os custos ocultos numa empresa que nunca consideramos na formulação dos preços. Somos sempre pressionados pela concorrência e hábito dos consumidores a sempre ter o preço mais baixo, acabamos empurrando estes custos com a barriga, até que alguma hora temos que pagá-los.

Se a idéia for nunca tirar qualquer benefício do funcionário, então porque não aumentar o recolhimento mensal do FGTS e eliminar a multa no final?? Assim, as empresas não tem surpresas e contas milionárias bem na hora em que não pode. A empresa está indo mal, fica no vermelho, tem que demitir e ainda pagar uma fortuna?

A medida em que o custo fica mais evidente nas contas mensais, o empresário já toma medidas imediatas e analisa se realmente tem condições de pagar pelo funcionário. Se a conta não fechar, fica mais fácil se recuperar, tem que demitir na hora, automatizar mais, não contratar novos funcionários nem propor salários altos que não poderão ser cumpridos no final.

Essa multa de 40% prejudica os próprios trabalhadores, pois acabam nunca vendo a cor deste dinheiro, como neste caso da Econ, ou são obrigados a ficar trabalhando infelizes numa empresa sem coragem de pedir demissão. Vão ter que entrar na justiça e receber este dinheiro em não sei quanto tempo, além de aumentar os gastos da máquina publica com processos. E processos a justiça já está cheio.

Se a Econ está realmente sem dinheiro para pagar todo mundo (ou se é golpe), eu não tenho como julgar. Mas me parece bem complicado concorrer com grandes redes do tipo Carrefour, Pao de Açúcar, Extra e outros que negociam grandes contratos e compram volumes infinitamente superiores com maior poder de pechincha. Cada vez mais o mundo está ficando monopolizado com grandes multinacionais dominando tudo e fechando os “pequenos e médios”.

Empresa condenada pela fofoca e brincadeira de seus funcionários. Porque não fazer os funcionários pagarem a conta?

 

Ao ler a manchete de que uma empresa foi condenada a pagar uma indenização por constranger um casal homossexual, já estava achando que algum empresário ou sócio da empresa tivesse sido preconceituoso com seus funcionários.

Ao ler a notícia inteira, ficou claro que as homossexuais foram discriminadas pelos próprios colegas de trabalho, fofocas e brincadeiras. Todo mundo sabe que fofoca e piadinhas (mesmo que de mal gosto) acontecem em todos lugares e não tem como controlar. Fofocas entre amigos, na família, na escola, dentro de casa mesmo, ou como muitos chamam a “radio peão”. O que ocorre dentro das empresas é um simples retrato da sociedade. A empresa pode tentar reprimir, mas sabemos que isso é impossível na prática. Preconceito contra homossexuais é muito comum no Brasil inteiro e todos estão carecas de saber que é crime. As piadas são sempre feitas “as escondidas” e dificilmente chega aos ouvidos dos donos da empresa e mesmo que chegue nunca sabemos se foi verdade e quem foi o autor da piada.

Junte-se a isso o fato da lei trabalhista proibir que as empresas façam qualquer punição a um funcionário sem provas super concretas… Ou seja, é justo sim que a empresa pague a indenização, afinal as funcionarias homossexuais sofreram danos morais mas também seria justo a empresa descontar esse valor do salario do funcionário para ressarcir o dano material causado. As pessoas mudam somente quando doi no próprio bolso!!!

http://economia.uol.com.br/empregos-e-carreiras/noticias/redacao/2014/02/07/justica-condena-empresa-a-pagar-r-14000-por-constranger-casal-de-mulheres.htm

Procon agora quer censurar propagandas criativas

 

O Procon reclamou de uma propaganda que brinca ao comparar turistas com a marcha dos pinguins. A censura e controle das propagandas já é realizado pelo Conar. O Procon que defende corretamente os interesses dos consumidores muitas vezes mostra que se consideram acima de tudo. Impressionante como muitas pessoas, órgãos públicos e classes “de defesa de direitos” abusam do poder que lhes é concedido, entre eles estão o Procon, juízes do trabalho, sindicatos, etc. Afinal, no Brasil, todos são cheios de direitos.

Em tempos do “politicamente correto”, não vejo nenhuma discriminação racial, social, preconceito, nem nada. O público pode ter achado a propaganda engraçada ou não, mas as empresas tem que ter o direito de poder tentar ser criativos. O brasileiro gosta de se considerar bem humorado, de bem com a vida, e festeiro, mas não consegue tolerar qualquer piada. As empresas estão promovendo propagandas cada vez mais irreverentes e isso é uma excelente forma de conquistar os clientes e não podem ser censuradas por “qualquer um” que queira aparecer. Há que se ouvir várias partes (ou órgão reguladores) para se chegar a uma conclusão ou punir campanhas publicitárias.

 

http://economia.ig.com.br/empresas/2014-02-04/procon-sp-notifica-hotel-urbano-por-comparar-turista-a-animal-em-comercial.html

Desemprego nunca esteve tão baixo e nunca fiquei tão dependente dos funcionarios.

Tenho escrito vários artigos das dificuldades de encontrar mão de obra qualificada por um preço não muito acima dos praticados em anos anteriores. Os funcionários e sindicatos exigindo salários muito mais altos do que pouco tempo atrás, enquanto os preços dos meus produtos pouco subiram.

Estou passando especificamente esta semana com um problema que se repete cada vez com mais frequência. Funcionários arrumando brigas com seus colegas “desafetos”, estou recebendo vários tipos de atestados médicos (que não posso recusar) por mais absurdo que pareçam, faltas não justificadas, atrasos, pouca dedicação e corpo mole.

Contratamos uma funcionaria há vários dias que ate hoje fica inventando desculpa para não trazer a carteira de trabalho para registro. Quando a empresa não devolve a carteira de trabalho em 48 horas, pode tomar todo tipo de multa, agora funcionário que desobedece leis nunca acontece nada. A primeira dica que todos me falam seria dispensar a funcionaria já que ela não esta respeitando a lei, ou mandar os funcionários encrenqueiros embora. Mas dependemos tanto deles, seja pelo conhecimento e entrosamento adquirido ao longo dos anos, ou mesmo pelo trabalho de contratar outra pessoa e treina-la. Em suma, ruim com eles, pior sem eles. O que adianta mandar embora e contratar outro que vai ser igual ou pior… São funcionários que ficam pingando de empresa em empresa, nunca permanecendo por mais de 1 ano em cada emprego, achando que vai ter alguma empresa “melhor” que vá pagar mais ou oferecer condições muito diferentes.

Isso atingiu um nível epidêmico que deixa a maioria das pequenas e medias empresas do Brasil muito pouco produtivas, com funcionários descontentes, formando um circulo vicioso de baixos lucros e baixos salários enquanto o custo de vida de toda população aumenta de maneira galopante.

Os desafios de atender a grandes empresas.

Ao longo dos mais de 15 anos como empresário, tive o privilegio de ter em minha carteira de clientes muitas multinacionais e grandes empresas renomadas. Mas o que parece ser algo extremamente positivo, lucrativo e fácil, na verdade mostra-se muito complicado.

Toda e qualquer decisão ou questionamento levantado para um grande cliente vai depender de uma reunião interna e tantas outras visitas suas, muitas vezes para discutir assuntos que para você parece obvio mesmo de pequeno valor. Ou seja, um reajuste de preço, melhoria no produto, alteração de qualquer natureza deve ser aprovado por zilhoes de departamentos.

Imaginava que, se existem tantas pessoas envolvidas no assunto com software de gestão e milhões de ferramentas, essas empresas fossem organizadas. Que nada!! Por mais que você ligue perguntando antes, eles sempre colocam pedidos de ultima hora. Planejamento zero e você que se vire para encontrar. Quantas vezes eu previa antecipadamente que certos problemas iriam acontecer se não tomassem providencias e cobrava respostas urgentes ?? Ai os problemas acontecem e todos estes zilhoes de pessoas que participaram da reunião ficam te cobrando ao mesmo tempo de um assunto que você já tinha alertado.

E os formulários de pedidos que eles enviam então. Varias paginas com letras muidas prevendo vários tipos de multas, direito de devolver os produtos a qualquer momento sem cobrar nada, prazos de entrega impraticáveis, etc.

Falar dos prazos de pagamento então parece piada. Já tem cliente meu que todo pedido esta aumentando o prazo. Começou com 30 dias, passou para 45 e agora a “nova determinação da presidência seria trabalhar com 60 dias”. Logo vão querer 120 dias, e já existem essas empresas. Ou seja, uma puta empresa com milhões de dólares em ativos e altíssima lucratividade querendo que eu, pequeno empresário, arque com todo o fluxo de caixa deles. Em 120 dias tem tempo de receber a mercadoria, vender, receber do cliente, ganhar um juros para depois entregar o dinheiro para mim. Isso quebra qualquer um.

Outras empresas determinam “pagamentos somente de quarta feira”. Se eles esquecem de te pagar, você cobra no dia seguinte e ainda tem que ouvir que devemos esperar mais 1 semana. Outros dizem “30 dias a partir do próximo mês do faturamento”… essa matemática esta ficando complexa e nunca sei ao certo quando vou receber, ou melhor, quanto vou perder dinheiro esperando para receber. Outros falam que não fazem pagamentos na ultima semana do mês ou colocam pagamentos somente no dia 15. Esta virando palhaçada isso.

Dos meus fornecedores o máximo que consigo são 2 parcelas 28 ou 35 dias. Nunca mais que 45 dias.

Outro fato incomodo foi ver que a politica insana de redução de custos não somente obriga a reduzir extremamente a qualidade dos produtos, torna impossível qualquer repasse de preços, e também contratam pessoas muito despreparadas para ocupar cargos vitais na empresa. Tem sido muito difícil ter qualquer conversa um pouco mais técnica com meus clientes, mesmo em cargos de chefia pois parece que o cara nem concluiu a faculdade (ou comprou o diploma num curso a distancia). Corte de todos os custos, gasto zero com manutenção de equipamentos, a culpa é sempre do fabricante, exigem garantia mesmo quando constatamos mau uso (pessoas desqualificadas), mentiras deslavadas para ganhar qualquer vantagem, mesmo por “centavos”, trabalhar sempre just in time para manter estoques zerados cobrando dos fornecedores entregas para ontem.

Em suma, grandes clientes, dores de cabeça maiores ainda e margens sempre decrescentes.

Estou desistindo de ter industria com tanta dor de cabeça e baixos lucros. Revender é mais facil e lucrativo.

Infelizmente manter uma indústria no Brasil virou missão quase impossível. A indústria tem todas dores de cabeça com maquinário, necessidade de atualização tecnológica, concorrência internacional principalmente chinesa, certificados, alvarás, peões de fabrica desmotivados e sempre pedindo aumento, etc. Quando levantamos todos os custos diretos e indiretos e vários outros ocultos que não rateamos, descobrimos que os números não fecham, ou seja, movimentamos muito dinheiro mas o lucro dificilmente aparece. Quantas vezes minha maquina não parou e perdi pedidos e ouvi um monte do cliente… Os custos das matérias primas variam todos os meses, precisamos controlar perdas, manutenções preventivas nos equipamentos, dificuldade enorme de repassar qualquer aumento, o próprio ambiente de trabalho é mais bruto.

Do outro lado, tenho meus revendedores e distribuidores. Eles recebem a caixa fechadinha e bonitinha, pronta pra sair. Se meu preco esta fora, basta ligar pra outro e na mesma semana muda de fornecedor. Se alguém lanca um produto novo, o revendedor não tem qualquer custo para fazer a troca. Se for uma empresa maior, eles ate podem colocar a marca própria. Ou seja, o fabricante passa anos se matando e o revendedor leva a fama e fica com a marca consolidada.

Por isso, passei também a revender produtos e importar. A planilha de custos fica fácil de fazer com bem menos variáveis. Para ter o custo do produto basta ver a nota fiscal de entrada e considerar alguns impostos. A revenda se foca na área comercial e marketing, pode ficar num escritório bonito no ar condicionado, muito menos, digamos assim insalubre. Depois que o seu produto emplaca no mercado, basta ficar tirando pedido e fazendo a logística. Com certeza uma revenda tem vários outros desafios, mas vejo que a indústria tem muito mais problemas pois junta os desafios da revenda (pois mesmo os fabricantes precisam gastar com área comercial e marketing) além das dificuldades de fabricar um produto.

Eu particularmente tenho tido muito mais lucro (e menos trabalho) na minha linha de revenda do que fabricação própria.

Empresários deverão arcar com custos de disponibilizar o banheiro de suas lojas para a população.

Esta é uma matéria do ano passado que deixei passar, mas que publico agora continuando a saga “responsabilidades do governo que são transferidas para os empresários”.

Escrevi dezenas de artigos de todos os custos e responsabilidades extras que o governo deveria assumir, mas  joga nas costas das empresas, e dos empresários. Desta vez vou destacar o fato de que todas as lojas abertas ao publico nas ruas deverão disponibilizar banheiros para uso de qualquer pessoa, seja cliente ou não. Ou seja, o governo não consegue instalar um banheiro publico na rua e por isso as empresas deverão fazer isso. Num pais que tem mais porco do que gente andando na rua, imagino a situação que vao ficar estes banheiros.

http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2013-06-13/um-alivio-que-vira-polemica.html