Sindicato dos Metalúrgicos serve cachaça aos trabalhadores que entram na sede em São Paulo. Embebedar as pessoas para convencê-las?

Conheci pessoas que visitaram o Sindicato dos Metalúrgicos. Ao chegarem, a primeira coisa que os sindicalistas oferecem é cachaça. Parece que colocam cachaça em todas as salas de reunião com o claro propósito de embebedar as pessoas e deixá-las mais fáceis de serem enganadas, ou melhor, convencidas. Será que essa foi uma herança do Lula que sempre curtiu uma branquinha?

Não tenho coragem (nem tempo) de ir lá pessoalmente conferir este informação, mas quem puder, me confirmem esta história que é absurda e inaceitável.

Empresário também é composto por “negros, mulheres, [pessoas] da periferia”, analfabetos… ou seja, pessoas comuns.

Apesar da matéria ser uma notícia não muito boa que mostra que os pequenos negócios diminuiram, por outro lado, mostra que empresário também é pessoa comum, ex-empregados, pessoas de todas as condições sociais, ou seja, acessível a qualquer um.

http://economia.ig.com.br/financas/seunegocio/2013-05-15/numero-de-pequenos-negocios-no-pais-diminuiu-segundo-ipea.html

As pessoas tem que dismistificar que empresário é aquele cara milhonário que fica na praia tomando caipirinha o dia inteiro na vida boa e andando de carro importado. Na realidade, todos os empresários que conheço são as pessoas que mais trabalham em suas empresas, fazem horas extras constantes, não viajam e pensam 24 horas na empresa.

São pessoas comuns, de várias classes sociais, negro, branco, novos, meia idade, idosos… Muitos ex-funcionários que sabem como funcionam os dois lados: do funcionário e do patrão.

Infelizmente a grande maioria da população não faz a menor ideia do que é tocar uma empresa e parece que tudo joga contra o empresário. A medida que mais pessoas partem para o negócio próprio, mais há debate e conscientização das dificuldades dos empresários no Brasil que não há em nenhum país desenvolvido do mundo.

Lembre-se que um empresário também figura como consumidor em muitas situações pois também tem que ir nas lojas fazer compras, mas infelizmente, nenhum consumidor se coloca na pele de empresário e só querem saber do seus direitos e empurrar todas as responsabilidades e custos para as costas do empresário.

A nova lei do e-commerce é positiva, mas discordo totalmente do prazo de 7 dias para desistência com frete a ser pago pelo empresário.

Novas exigências para o e-commerce são bem positivas para os empresários e também para os consumidores e conferem maior credibilidade às lojas virtuais, mas tem um ponto que discordo totalmente: o direito de desistência de 7 dias com custos de frete por conta do empresário.

http://startups.ig.com.br/2013/nova-lei-do-e-commerce-nao-deveria-ser-novidade-para-as-lojas-online/

Conforme o link acima, todas as lojas já deveriam estar adaptadas às novas leis. Eu como consumidor já tive muitas dificuldades com lojas virtuais que não divulgavam nem mesmo um telefone para contato. Isso é o mínimo.

O que discordo completamente é empurrar o custo do frete para o empresário. Conforme outros artigos meus aqui no blog, o custo de frete no Brasil é uma fortuna e no caso de desistência, o empresário paga o frete de ida e volta, além de ter que re-embalar o produto.

Se todos os produtos fossem do tamanho de um CD ou livro, tudo bem, porém temos que levar em consideração que hoje se compra tudo por internet: desde CD e livro, até geladeira e fogão.

Por que comprar numa loja virtual tem leis diferentes em relação a uma loja física? A lei já determina mencionar endereço da empresa, por isso, o consumidor tem a opção de visitar a loja e verificar o produto. Só não visita porque não quer. Não quer perder tempo nem custo de viagem. Toda loja virtual hoje exibe fotos de vários ângulos e todos os detalhes técnicos. Mesmo que não mencione todas as informações possíveis, basta digitar o nome e código do produto no google para aparecer dezenas de páginas, ou seja, falta de informação também não é desculpa para os tempos de internet que vivemos em que qualquer criança de 5 anos já usa com facilidade e faz todo tipo de pesquisa.

Vale salientar que o cliente por livre e espontânea vontade entrou no site e fez a compra. Diferente de um telemarketing que fica ligando e enchendo o saco tentando te empurrar um produto.

Outro ponto é que a maioria das compras que fazemos via internet são de produtos que alguém nos indicou ou vimos em algum lugar. Dificilmente alguém compra uma coisa e chega outra completamente diferente ou algo inesperado.

Tem uma venda que fiz para o interior do Sergipe. O produto custa R$350 e o frete ficou mais de R$50 pelo PAC. O cliente quer devolver sem ter qualquer defeito de fabricação e depois de falar bastante com minha vendedora. Agora vou ter que aceitar o produto de volta e ainda morrer com mais de R$100 de preju??

Muitas lojas virtuais são pequenos empresários tão duros quanto qualquer consumidor. R$100 é muito dinheiro de prejuízo. Não tem sentido empurrar custos ao empresário sem ter qualquer culpa no caso. Ainda mais pequenas empresas que concorrem com grandes empresas com margens bem apertadas.

Outro caso que acontece com certa frequencia é quando os correios não fazem entrega no destino por motivos de segurança/roubo e o cliente também não quer ir retirar na agencia dos correios. Mais uma vez, o custo fica com a empresa. Ou mesmo quando o cliente não está em casa e o Sedex faz todas as tentativas em vão e devolvem o pacote.

Uma loja virtual é uma excelente porta para empreendedorismo pois possui baixo custo de implantação e precisamos tornar isso um negócio atraente e não dificultar e desestimular a abertura de novos negócios.

Governo exige doutorado aos professores de universidades. Por que não se exige nem o primário para um político?

O governo passou a exigir doutorado para professores da universidade federal. Isso é um bom sinal pois eleva a qualidade de nosso delicado sistema de ensino.

http://noticias.terra.com.br/educacao/governo-recua-e-exige-doutorado-de-professor-de-universidade-federal,70a5cab1ca7ae310VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html

Atualmente qualquer empresa privada exige segundo grau completo, cursos de informática e uma série de requisitos para contratar uma telefonista. Até um lixeiro tem que ter diploma hoje.

Se você pegar um cargo de gestão em qualquer empresa privada, o diploma do profissional deve ser irretocável. Graduação em boa universidade, pós graduação, especializações, experiencia anterior de muitos anos.

Por que político não precisa nada disso? Até analfabeto pode ser eleito. Qualquer um vira político ou assessor de político. O fato de qualquer analfabeto poder virar presidente da república é considerado uma democracia consolidada? Isso sem falar na ficha criminal !!!!

Infraestrutura de transportes do Brasil não evoluiu nos últimos 10 anos.

Vemos cada vez mais artigos mostrando a triste realidade do Brasil. Sempre tido como o país do futuro, como a “bola da vez”, desemprego zero, sem crise, vemos que o país está na realidade estagnado e anos luz de qualquer país desenvolvido.

Esta matéria abaixo não só mostram que o Brasil não evoluiu sua estrutura logística como também possuem custos e burocracias sem igual no mundo:

http://www.fiesp.com.br/noticias/jornal-nacional-mostra-estudo-da-fiesp-que-revela-atraso-do-brasil-em-indicadores-logisticos/

Quantas viagens você fez de trem na vida que não fosse para chegar no trabalho? Nenhuma… claro… praticamente não temos ferrovias. Exceto algumas multinacionais que transportam grãos ou alguns poucos commodities. Quando mesmo ficará pronto o trem bala? 10 anos, 20 anos, ninguém sabe.

Qual estrada pública você considera boa? Quantas vezes você tem que pegar estrada de terra por ano?? Temos que lembrar que o Brasil são dois países distintos: dentro do Estado de São Paulo e fora do Estado de São Paulo. Chegar em muitas cidades do interior do país é um grande desafio.

Dos nossos portos, todos estão saturados, enfrentam burocracias tremendas, filas para carregar e descarregar, vários dias para liberar uma carga.

E o transporte aéreo? O fato de muita gente andar de avião hoje é graças ao investimento privado e companhias aéreas que oferecem passagens de avião mais baratas que passagens de ônibus. Se fosse depender dos aeroportos ou do governo, estaríamos perdidos.

Infelizmente ficar estagnado por 10 anos é perder pelo menos 20 anos. Afinal, mesmo o mundo todo estando em crise, todos os países desenvolvidos continuam investindo em infraestrutura e o Brasil vai ficando cada vez mais para trás e menos competitivo no mercado mundial de qualquer produto.

Péssimas condições de segurança há anos da Feira da Madrugada no Brás em São Paulo mostram as contradições da cultura do brasileiro que transformou a tragédia no incêndio em Santa Maria/RS em comoção nacional e caça aos donos da boate Kiss.

Um assunto que tem sido notícia em São Paulo nas últimas semanas é a Feira da Madrugada no bairro do Brás em São Paulo. Não sei porque, após anos de funcionamento, os Bombeiros resolveram fazer uma vistoria no local e constataram inúmeras irregularidades e graves problemas de segurança. Imaginem um monte de lojinhas amontoadas uma em cima da outra, cheio de gato (fiação elétrica exposta e amontoada), aperto e muita gente circulando e pirataria rolando solta. Locais como estes existem vários espalhados pelo Brasil e todo mundo sabe onde está.

Devido a todas estas irregularidades, os Bombeiros e a Prefeitura estão travando uma batalha para conseguir interditar o local. Conforme links a seguir:

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,bombeiros-recomendam-fechamento-da-feira-da-madrugada-por-falta-de-seguranca,1030877,0.htm

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,haddad-diz-que-pode-recorrer-de-decisao-que-mantem-a-feira-da-madrugada-aberta,1031375,0.htm

Tivemos uma tragédia ocorrida em Santa Maria/RS na boate Kiss. Um incêndio que tirou a vida de muitas pessoas. Algo realmente lamentável que virou uma comoção nacional.

O que fica difícil de entrar na minha cabeça é que um incêndio na boate Kiss gerou tantas manifestações, transformou os donos da boate Kiss dos mais populares da cidade nas pessoas mais odiadas do Brasil da noite para o dia, enquanto isso um local como este no Brás fica travando batalhas judiciais com liminares para manter um local de alto risco em funcionamento, E NINGUÉM SE MANIFESTA, NINGUÉM RECLAMA NADA. Milhares de pessoas passam por lá diariamente e são contra a interdição pois ganham dinheiro com isso.

Isso me faz pensar em muitas coisas: 1) por que um lugar desses fica em funcionamento por anos sem qualquer questionamento?; 2) onde está a fiscalização em antros que todo mundo conhece e sabe que rola pirataria e irregularidades de todo tipo?; 3) é correto querer interditar da noite para o dia um local que apresenta problemas sem oferecer um prazo para regularização?; 4) esta feira é o ganha pão de centenas de famílias que vendem e compram mercadorias para revender e sacoleiros de todos os tipos… até que ponto a segurança está em primeiro lugar?; 5) não seriam os compradores e vendedores da Feira da Madrugada tão negligentes quanto os donos da boate Kiss??

São muitas perguntas que eu não sei a resposta, mas sei como as coisas deveriam ser. Ao abrir qualquer local, deveria haver fiscalização e que fosse feita anualmente. Isto já ocorre, pelo menos na empresa que tenho. Porém se eu não fizer a renovação ou esquecer dos prazos, nenhuma fiscalização vem bater na minha porta. Deveria ter uma fiscalização mais atuante.

Os bombeiros que visitaram minha empresa foram totalmente profissionais e em nenhum momento me tratou de forma errada, nem pediu nenhuma propina (fato raro em muitos orgãos públicos).  Devo confessar que há fiscais mais exigentes e outros menos exigentes, mas eu também sempre deixei tudo em ordem e bastante extintor disponível e sempre carregado.

O que acabo concluindo é que está na cultura do Brasileiro sempre querer dar um jeitinho… o jeitinho brasileiro também no quesito segurança. Fazer uma gambiarra, fazer um puxadinho… é muito caro, eu não vou fazer. Tem um produto com selo Inmetro e tem outro sem selo nenhum porém é mais barato… vou comprar o mais barato. A população cobra tudo dos empresários (ou empresas) ao comprar produtos: cobra nota fiscal, exige garantias, questionam se tem certificação, querem tudo direitinho. Porém esta mesma população age diferente no seu dia a dia quando envolve o dinheiro do próprio bolso. Andam com pneus carecas, não recarregam extintores de seus carros, faróis queimados, gatos e gambiarras de todos os tipos, obras irregulares, compram produtos de camelôs que não emitem nota fiscal e mal possuem uma embalagem, e por ai vai. O que adianta as empresas investirem em produtos mais seguros, se o brasileiro só quer saber de preço baixo?? Um pequeno empresário que tira seu ganha pão da empresa não deveria ter os mesmos direitos e deveres de um camelô que tira seu ganha pão numa feira dessa?? Posso realmente estar exagerando nesta última comparação, mas sempre penso nas lojas do centro que pagam impostos, aluguel, pagam todos os encargos trabalhistas em dia, paga multa ou processos por qualquer irregularidade, e vários camelôs nas portas destas lojas vendendo os mesmos produtos e fazendo concorrência sem recolher nenhum imposto, nada de carteira assinada e tal, e muitos consumidores que são cúmplices disto tudo. Coitadinhos dos Camelôs!!!!

Agora tenho que dar razão ao pessoal da Feira da Madrugada num sentido: não tem cabimento fechar todo o local, prometendo fazer uma mega obra dizendo que em 2 meses eles poderão voltar. Sabemos que obras do governo nunca ficam prontas e assim como qualquer pequeno empresário, não pode ficar sem vender nada por 2 meses (ou mais). Fecha a metade, arruma os problemas e depois arruma a outra metade. Não podemos ser radicais.

Empresas brasileiras migram pro Paraguai, mostrando a fragilidade do Brasil.

O Brasil mostra que está seguindo o caminho oposto a maioria dos outros países do mundo. Carga tributária cada vez mais alta, encargos trabalhistas crescentes e rígidas, custo de energia entre as mais altas do mundo mesmo tendo hidroelétricas para todos os lados, pouca infraestrutura, etc. Agora muitas empresas brasileiras perceberam que nosso vizinho Paraguai oferece excelentes condições para abertura de empresas: impostos ridiculamente baixos, mão de obra barata, baixos encargos trabalhistas, energia barata e incentivos para exportação.

O Brasil é um pais extremamente rico, entre os 10 maiores PIBs do mundo, e mesmo assim não consegue atrair empresas estrangeiras para montarem suas fábricas por aqui. Em teoria tem total condições de financiar e fomentar o crescimento sustentável. A maioria das multinacionais que temos por aqui servem principalmente para abastecer o mercado interno.

Todos os países adotam alguma estratégia de crescimento: países desenvolvidos (EUA e Europeus) tem a mão de obra cara, porém tem alta produtividade e tecnologia. Países subdesenvolvidos não tem a alta tecnologia, mas tem mão de obra barata. O Brasil não tem nem um, nem outro, e nenhuma estratégia de longo prazo.

Outra reportagem mostra que a mesma calça jeans fabricada no Paraguai custa 35% menos. Isso é uma diferença absurda. Vamos começar a perder empregos e competitividade até pro Paraguai??

O Brasil não precisa apelar e igualar condições trabalhistas da China ou Paraguai e pagar salários muito baixos, mas precisa compensar as empresas de alguma forma, já que tem dinheiro para isso: financiamentos, pesquisas, menos burocracia, mais tecnologia, infra-estrutura, educação, reduzir o famoso custo Brasil.

http://economia.estadao.com.br/noticias/economia-geral,empresas-migram-para-o-paraguai,152100,0.htm

http://economia.estadao.com.br/noticias/economia-geral,custo-de-calca-jeans-paraguaia-e-35-menor,152101,0.htm