Tirar Visto Chines para a Canton Fair

Para todos que querem tirar o visto chines para a Canton Fair de Outubro, vou relatar o que aconteceu comigo, que quis tirar o visto em cima da hora (3 semanas antes da data da viagem)

O horario de atendimento vai das 09 as 12 horas somente. Cheguei as 11 horas e me deparei com uma fila enorme na rua. No começo de outubro,  existe um feriado nacional chines que deixa o consulado fechado por uma semana inteira. Cheguei sexta feira (antes do feriado) e só entrava no consulado quem iria retirar os vistos já emitidos ou despachantes. Ouvi pessoas que haviam chegado as 08 da manhã na fila e não conseguiram entrar. Ouvi que deveria ter chegado as 05 ou 06 da manhã. Quando deu meio-dia, as portas se fecharam e quem estava na fila teve que ir embora.

Conclusão: gaste R$100 a R$150 para um despachante fazer isso para você.

Descobri que havia preenchido muita coisa errada no formulário, que não poderia solicitar visto para múltiplas entradas e muito menos visto para negócios. Afinal iria visitar várias empresas chinesas e também ir a feira. Mesmo assim, meu visto será de turisma. Tinha 5 cartas convite de fornecedores chineses, mas se não estiverem no padrão do consulado chines (emitido com carimbo do governo chines), eles não tem valor para visto de negócios. Entre no google e digite “visto chines”… fiz com a SPVistos e espero receber meu visto nesta próxima segunda-feira.

A solidão do topo. Empresários dificilmente tem a oportunidade de conversar sobre gestão de seus negócios.

Fui convidado recentemente a participar de um encontro de empresários e gestores promovido pela Vistage.

http://www.valor.com.br/carreira/2659386/receita-para-amenizar-solidao-do-poder

O que mais me chamou a atenção foi uma reportagem do Estadão sobre “a solidão do topo”. Ou seja, os empresários vivem na solidão e dificilmente tem com quem compartilhar suas dificuldades e pedir opiniões sinceras para alguém. Meus funcionários nunca vão se abrir totalmente comigo pois existe ai claramente um conflito de interesses, e muitas verdades acabam não sendo ditas. Dos meus amigos, nenhum tem sua própria empresa. E mesmo se tivesse, dificilmente seria uma opinião valida de grande peso.

Cada negocio tem sua particularidade e ninguém mais sabe do meu negócio do que eu mesmo. Afinal, comecei a empresa do zero e posso dizer que sou o “funcionário” mais antigo da minha empresa, portanto, tenho bastante experiência em todas as nuances da minha empresa.

As escolas ou universidades podem nos fornecer teorias importantes, mas nada como conversar com outros empresários e ouvir experiências reais que outros já passaram, ou mesmo, alternativas que outras empresas encontraram para superar as dificuldades. E vindo de pessoas que nos entendem. Só quem é empresário conhece como as coisas funcionam e todas as dificuldades diárias pelas quais passamos.

Acabei não me filiando a Vistage, mas me interessei mais em buscar organizações como esta que promovam encontros deste tipo.

Nem todo produto chinês é ruim. O importador traz o que o consumidor procura!

Na China, existem produtos de péssima qualidade, mas também existem produtos de boa e ótima qualidade. Um mesmo fabricante oferece diferentes padrões de qualidade. Se a imagem do produto chinês no Brasil é um produto barato e baixa qualidade, é porque os importadores querem pagar o menor valor possível e abrem mão da qualidade.

Mas porque os importadores preferem os produtos de baixa qualidade?? Porque o empresário deve ouvir seus consumidores e oferecer o que o mercado quer. Brasileiro quer preço baixo sempre (ou 99%), e se recusa a pagar um pouco a mais para ter um produto de qualidade superior. Por isso, os empresários vão focar nos produtos baratos.

Exemplos: IPhone é fabricado na China e tem qualidade e desempenho inquestionável.

Por outro lado, se você visitar uma loja de R$1,99, provavelmente tudo lá será Made in China. Você espera que esse produto tenha qualidade ou que seja praticamente descartável?

Brasileiro foca sempre no preço mais baixo, por isso temos produtos de baixa qualidade e salários sempre baixos.

Este é um círculo vicioso presente no Brasil desde que eu nasci. A palavra mais comum dos consumidores brasileiros é PECHINCHA, DESCONTO, PROMOÇÃO. O slogan de quase todas empresas e lojas focam no preço baixo. Todos defendem estes pilares na hora de fazer compras. Porém, quando estas pessoas colocam seus uniformes e viram trabalhadores, eles querem AUMENTOS SALARIAIS e cada vez mais direitos.

Então logo percebemos que as empresas são obrigadas a trabalhar com REDUÇÃO DE CUSTOS constantes. Espremer seus fornecedores, achatar salários e inevitavelmente REDUZIR A QUALIDADE DOS PRODUTOS.

Na minha empresa que fornece insumos e produtos de consumo, a cada ano que passa, sou obrigado a reduzir o tamanho das embalagens, usar matérias primas mais baratas e portanto reduzir a eficiência do meu produto. Esta é a guerra de preço que muitos mercados passam. Os compradores das empresas (que passaram por redução de custos) estão mal qualificados e são cobrados por resultados e números. Muitos não sabem nem diferenciar o produto bom, do produto ruim. Sempre envio novas amostras mais baratas, e elas são sempre aprovadas por meus clientes. Se pegarem meu produto de 10 anos atrás e comparar com o atual, veremos uma grande diferença.

Já tentei trabalhar com produtos de qualidade superior, mas infelizmente, estes produtos vendem muuuuito pouco e encalham. Como acabo produzindo em quantidades muito pequenas (sem escala), os produtos ficam ainda mais caros.

Não entendo porque muitos especialistas e consumidores reclamam que nossos carros são ruins quando comparados com carros disponíveis na Europa. Nos Estados Unidos os carros só existem na versão automática há muito tempo. Porque no Brasil é diferente? Uai, porque o brasileiro prefere pagar um pouco menos e ter o cambio manual!!! Porque o Airbag é padrão lá fora e não no Brasil? Porque o consumidor não quer pagar o preço do Airbag… a mesma coisa para o freio ABS, etc. Só agora que os carros automáticos começaram a ter demanda no Brasil.

Hiprocrisia de quem compra produto Made in China, mas reclama do desemprego e quebra das indústrias nacionais !

A invasão de produtos chineses no Brasil e no mundo é tema frequente no mundo empresarial e também na vida de todos consumidores brasileiros. Ouço cada vez mais as pessoas criticando esta invasão de produtos chineses que tiram o emprego de milhares de brasileiros e destroem nossas fábricas. Isso é fato. Mas são estes mesmos hipócritas que compram cada vez mais produtos chineses no Brasil. Seja em grandes lojas, no centro, na Internet, na maioria das vezes temos a opção de comprar um produto nacional ou um produto importado. E como sabemos aquele feito na China vai ser mais barato, e muitas vezes (mas nem sempre) de qualidade inferior ou duvidosa. Ou seja, brasileiro só quer saber de preço baixo e troca produtos brasileiros renomados por marcas chinesas completamente desconhecidas, com acabamento pior e que não gera empregos na indústria brasileira.

Não devemos em hipótese alguma culpar o importador deste produto ou o empresário nacional por trocar seus empregados brasileiros pela terceirização de produção na China. Quem manda no mercado é o consumidor. Empresa que não oferece o produto que o consumidor procura, acaba fechando. Nenhuma empresa sobrevive contrariando a vontade do consumidor.

A liberdade de escolha do consumidor é o grande direito adquirido pelo capitalismo. Então o empresário deveria ter a mesma liberdade de poder escolher o que oferecer a seus clientes. Se o cliente quer produto chines barato, então vamos todos importar da China.

Estou indo viajar para a Feira de Cantão na China para aumentar minhas importações da China. Isso vai abrir muitas portas, muitas oportunidades para minha empresa, já que meus maiores concorrentes já fazem o mesmo e estou perdendo cada vez mais terreno.