Propaganda com valor errado de Xbox no Extra. Um anúncio errado (entre milhares) já causa processos.

Vimos agora em Agosto/2012 a rede de supermercados Extra anunciar um X-Box que custa normalmente na faixa de R$1.000 por menos de R$300. Chegando a loja, o consumidor percebe que o Extra cometeu um erro no anúncio e não aceita finalizar a venda. Conforme link abaixo:

http://jornaldabaixada.uol.com.br/?p=14650

Existe uma lei que diz que a empresa tem que cumprir o preço que está na etiqueta ou no anúncio. Estou de acordo com a lei, mas precisamos ter bom senso e não seguir a lei em todos os casos.

No caso do Extra, o preço está claramente equivocado. Estes supermercados fazem anúncios e jornais com preços todas as semanas com dezenas de produtos cada. É completamente normal e humano (sim, humano pois quem faz estes anúncios são seres humanos) que entre milhares de ofertas anunciadas, eles cometam um erro. Não me lembro de ter acontecido fato semelhante com o Extra nos últimos anos, ou seja, não é uma empresa que pratica isso intencionalmente. Uma coisa é anunciar o preço do tomate errado que causa prejuízo baixo, outra coisa é um videogame de R$1.000. Encontrar pessoas que vão para a polícia abrir B.O. é ridículo. São aproveitadores e ainda tem o aval da lei. Ok, é frustrante. Trata-se de um objeto de desejo de muitos. Mas a pessoa perdeu lá no máximo 30 minutos e alguns litros de gasolina (ou passagem de onibus)… que seja 1 hora. Ninguem é perfeito e uma empresa também não pode ser obrigada a essa perfeição. Agora já encontrei dezenas de consumidores fazendo escandalo, entrando em todos os sites do tipo ReclameAqui.

Vejo hipermercados praticando coisas que considero errada, mas devo expor minha opinião a favor deles quando vejo isso.

Existem muitas pessoas aproveitadoras e consumidores desleais. Neste link abaixo, uma pessoa entrou na justiça cobrando uma empresa a vender um carro zero por 1 centavo. Um fato raro aconteceu que a justiça considerou abuso da pessoa contra a empresa (deboxe da justica) e ainda fez o cara pagar uma multa (perdeu a causa). O cara vai dizer que não tem dinheiro e vai ficar por isso mesmo.

http://economia.terra.com.br/noticias/noticia.aspx?idNoticia=201208101517_TRR_81486671

Olimpiadas reflete como Brasil funciona.

O Brasil mais uma vez tem um resultado pífio em Olimpíadas. Todo mundo gosta de dizer que “o Brasil é a Sétima, Oitava, Nona economia do mundo” porque é o único ranking de centenas em que o Brasil figura na parte de cima. Vemos que o governo não dá nenhuma prioridade e não tem seriedade em assuntos muito mais importantes. Por que dariam prioridade para os esportes? Na realidade considero os esportistas olímpicos verdadeiros heróis, assim como os empresários do Brasil. Não recebem nada, raros incentivos, só ralam o dia inteiro. Um ou outro esporte recebe milhões em patrocínio, mas a maioria mal consegue pagar o uniforme do atleta. Nas empresas é a mesma coisa, dois ou tres tipos de produtos recebem generosos incentivos, enquanto a maioria das empresas batalham contra impostos abusivos e incentivo zero.

A falta de planejamento ocorre não só no esporte, mas também em todos os setores que afetam as empresas. Incertezas, falta de infraestrutura, sem investimentos do governo para o longo prazo, sem melhorias estruturais.

Tenho que falar as verdades para os gringos que tentam vir para o Brasil: nosso país é mesmo subdesenvolvido.

Como todo empresário no Brasil, eu estou sempre de olho procurando novidades e idéias no exterior para trazer ao Brasil. Em poucos anos sem evoluir a empresa ou seu produto, a falência é certa. Por isso, pelo menos uma vez por ano tenho oportunidade de me reunir com algum empresário de outro país, tentanto firmar algum tipo de parceria. Eles chegam aqui achando que as coisas são fáceis, mas apesar de gostar do Brasil, tenho que ser realista e mostrar umas verdades.

Isso eu não falo, mas vários ranking mundiais colocam o Brasil lá embaixo. A educação é uma das piores do mundo. O custo de eletricidade um dos mais altos do mundo. O custo de telefonia um dos mais caros do mundo, e por ai vai.

No mundo dos negócios, o Brasil está na posição 46 em competitividade (entre 59 países). Ou seja, se algum gringo pretende abrir uma empresa em outro país, existem 45 países melhores para ele fazer isso.

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1098322-brasil-cai-para-46-em-ranking-mundial-de-competitividade.shtml

Existe um outro ranking “Doing Business” onde o Brasil está em 126 e lista vários fatores (facilidade de abrir empresa, burocracia, registro de propriedades, proteção a investidores, impostos, cumprir contratos, etc) . Prefiro nem saber quantos estão concorrendo.

http://www.doingbusiness.org/data/exploreeconomies/brazil/

Um empresário da Europa me perguntou se é fácil importar da Argentina um produto específico. Primeiro ele ficou espantado em saber que o custo de frete de uma carreta indo de Buenos Aires a São Paulo custa a mesma coisa que enviar um container da China para Santos. Por que? Porque o frete é caro ! Na mesma semana, estavamos tendo a greve dos motoristas de caminhão que iria aumentar ainda mais o custo. “Então fulano, para vir do Sul para São Paulo, existe apenas 1 rodovia boa, e mesmo assim ainda existem trechos complicados. Há poucos anos era mão dupla com apenas uma faixa”. Ou seja, rapidinho mostrei que o sistema de transporte de carga no Brasil é um lixo. Trem só para aquelas multinacionais que construiram suas próprias ferrovias (grão e minérios).

Outra dúvida eram os impostos… expliquei mas são tantos que eles não entenderam. A burocracia de importação/exportação é enorme e os custos enormes. O porto de Santos ficou pequeno há decadas.

Ou seja, tenho vergonha de conversar com outros empresários sobre o Brasil, mas não sou uma pessoa de tapar o sol com a peneira. Falo a verdade! Os gringos lá fora estão acostumadas com tudo funcionando bem, muitas alternativas, baixos custos. Aqui estamos acostumados a poucas opções, imprevistos e altos custos.

Não é a toa, que empresas do exterior só aceitam vir para o Brasil quando o governo oferece terreno de graça, isenção de impostos por dezenas de anos e financiamento a custo praticamente zero.

Forbes publica que preço de carros no Brasil é absurdo. Na verdade todos produtos são caros.

A Forbes publicou um artigo dizendo que uma Cherokee no Brasil custa USD 90.000 e por lá custa 3 vezes menos.

http://veja.abril.com.br/noticia/economia/para-forbes-preco-de-jeep-cherokee-no-brasil-e-ridiculo

Isso nós brasileiros já sabemos há decadas. E não só os carros. Tudo por aqui custa o dobro ou o triplo. Os únicos produtos que não custam o dobro são aqueles que o governo oferece um MEGA-subsidio. Por exemplo, o preço de computadores no Brasil era absurdo. Depois que o governo concedeu vários benefícios, a venda de computadores explodiu e os preços hoje estão “justos”. Mesmo nesta situação quando viajamos para os Estados Unidos, vemos laptops mais baratos e muito mais potentes.

Como sempre falei… os impostos no Brasil são gigantescos e os custos para ter uma empresa no Brasil também. Todos os produtos enfrentam forte concorrencia de fabricantes nacionais e já existem sempre importadores trazendo produtos da China, ou seja, a alta concorrência em todos os mercados impedem qualquer empresa ter uma margem que possa ser chamada de “abusiva”.

O fato de tudo custar o tripo é ruim para toda a população, mas também para as empresas que tem que investir o triplo para comprar qualquer coisa para sua fábrica. Uma empresa precisa de tudo: móveis, iluminação, construção, fiação elétrica, computadores, uniformes… tudo custa muito caro. Por isso, é impossível exportar, a população não consegue comprar nada, as empresas não vendem, a economia trava.

Mulher toma Novalgina, tem reação alérgica, e fabricante terá que pagar R$1 milhão sem ter culpa nenhuma!

Os consumidores e a justiça brasileira estão repassando as empresas todas as responsabilidades e custos de qualquer acidente ou dano que acontece em qualquer lugar do Brasil, sendo ou não causado pelo fabricante. Sendo ou não culpa do cliente.
Nesta notícia abaixo, uma pessoa teve uma grave reação alérgica ao tomar Novalgina. Realmente deixou sequelas graves, cegueira e sinto pena por esta pessoa, mas a Sanofi (fabricante do medicamento) não tem a menor culpa por isso.
http://exame.abril.com.br/negocios/gestao/noticias/novalgina-gera-indenizacao-de-1-milhao-por-provocar-alergia

Não houve erro de fabricação, o produto estava em perfeito estado, é um produto que está no mercado ha dezenas de anos, aprovado pela Anvisa, ou seja, se a moça teve uma reação alérgica, podemos dizer tudo (até azar), menos que foi culpa da Sanofi.
As farmaceuticas sempre elaboram longas bulas com tudo super detalhado, falam para consultar médicos e não se automedicar… chega até ser irritante durante os comerciais na televisão ouvir “se persistirem os sintomas o médico deverá ser consultado”.
Seria a mesma coisa de pedir indenização para um fabricante de armas para todo crime que acontecer na cidade.

Uma pessoa cai no chão, ela pode processar todo mundo. Se ela estiver em uma loja, pode processar a loja. Se estiver na calçada, processa o dono da casa.
Uma cliente bate no carro de outro cliente, e quem paga a conta é o dono do estacionamento, e não o cliente barbeiro.
Se eu vender um ventilador, e algum otário colocar o dedo na hélice girando rápido, provavelmente eu terei que pagar pela cirurgia do dedo dele.
Até onde vai isso?

Prepare sua empresa: muitos clientes são mal intecionados, roubam e usam de má-fe, querendo levar vantagem e fazer valer o “jeitinho brasileiro”

Levei muito tempo para acreditar que não são poucos os clientes mal intencionados que querem levar vantagem, e são caras de pau mesmo. Achei alguns links interessantes que descrevem várias maneiras em que um mercado por ser “roubado”… muitos clientes escondem mercadoria, consomem produtos dentro da loja sem pagar, funcionários facilitam roubo de entregadores de mercadorias. Na realidade acontece de tudo em um supermercado e não vou me prolongar muito neste ramo pois nunca trabalhei com supermercados, mas já li um pouco a respeito.
No meu ramo de venda de máquinas industriais e também produtos eletronicos, já vi muita coisa:
a) Um cliente que quebra um produto, e mesmo sabendo o que aconteceu, ele exige garantia e ainda fala duro com todo mundo para soar mais convincente. Quando recebemos o tal produto quebrado, fazemos uma perícia e descobrimos a verdade… o cliente fez coisa errada, derrubou o produto no chão, ligou na voltagem errada, e jura de pé junto que nada aconteceu. Porém nem sempre a perícia pode comprovar isso. Ou seja, temos suspeitas que o cliente fez coisa errada, mas não temos como provar ou afirmar 100%. Nestes casos acabamos perdendo dinheiro e dando a garantia.
b) Na venda de máquinas, a manutenção preventiva é fundamental para a durabilidade do produto. Gosto de comparar isso com um carro. O cliente tem que trocar o óleo do carro a cada 5.000 kms. A troca é extremamente barata, mas se não for feita, o motor estoura e o prejuízo fica bem alto. Vejo muitos clientes que são negligentes, não trocam os filtros da minha máquina e depois que o motor quebra, fica exigindo garantia. Como o cliente não quer dar o braço a torcer, ele não aceita a verdade, e começa a comprar do concorrente por birra. Depois de tomar o prejuízo, ele começa a trocar o filtro da maquina adquirida pelo concorrente, e diz pra todo mundo que minha máquina não presta, mas a que ele comprou depois é boa.

Como o código de defesa do consumidor é extremamente rígido, muitas vezes os clientes acabam se dando bem, ou seja, ganhando algo que não merecem. Fico feliz que nem sempre isso acontece… Um cliente entrou na justiça exigindo um carro por 1 centavo, e acabou tendo que pagar uma multa por má-fé (link abaixo)… no final a empresa teve um grande gasto com advogado, perda de tempo, e o cliente não terá as custas do processo para pagar mas foi condenado a pagar R$350… provavelmente o cliente vai recorrer e não pagar nada. Ou seja, a justiça foi metade feita porque a empresa teve custos sobre algo que não merecia.

Então, prepare sua empresa e crie mecanismos de perícia e prevenção contra estes mal intencionados. Infelizmente clientes bem intencionados acabam tendo que passar por burocracias mais longas e demoradas pois existem os mal intencionados que exigem um controle maior por parte das empresas.

http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/08/10/justica-nega-pedido-de-cliente-que-queria-comprar-carro-a-preco-de-banana.jhtm

http://www.prevenirperdas.com.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=281:tipos-de-furtos-em-supermercados&catid=2:prevencao-de-perdas&Itemid=8

http://www.folhavitoria.com.br/policia/noticia/2011/09/supermercados-capixabas-investem-em-seguranca-para-evitar-prejuizos-com-furtos-de-produtos.html

Por que a doação de sangue com folga para funcionário deve ser um onus para o empregador?

Li hoje uma noticia que todos os agentes da CET irão fazer uma doação de sangue como forma de protesto, já que terão garantidos o dia seguinte sem trabalho e sem desconto. Não acho errada esta lei que garante um dia de folga para quem doa sangue… mas vou colocar uns pontos que me incomodam:

a) A doação de sangue é realmente um ato nobre e deve ser estimulada pelo governo, porém, porque o EMPRESÁRIO tem que arcar com este custo? Se fosse descontado do funcionário, com certeza muitos iriam achar injusto. Porque cobrar do empresário não seria também injusto? Na realidade quem deve pagar por esse dia, não deveria ser nem o empregado, nem o empresário. O governo é que deveria a gerar um crédito a favor do funcionário de alguma maneira, cubrindo o dia de falta e todos as perdas relacionadas como DSR. Pois o empresário perde muito quando tem um funcionário a menos trabalhando, principalmente sabendo que a maioria das empresas do país são micro e pequenas empresas.

b) Toda a lei que garante estabilidade ou justificativa de falta deveria contar com o bom senso. Muitos funcionários quando querem ser mandados embora começam a apresentar atestados médicos (de origem duvidosa, muitas vezes o proprio sindicato fornece indiscriminadamente). Muitos casos que geram estabilidade como Cipeiros e outras estabilidades que incentivam o corpo mole. Empregadas domésticas que ficam grávidas sem falar nada e começam a aprontar para serem mandadas embora e depois ir para a justiça cobrando muitos meses de estabilidade.

Acho que estes agentes da CET deveriam fazer seus protestos, mas não abusando de leis que protegem o trabalhador e deveriam ser usados para o bem. Não é comum os funcionários abusarem das doações, pois quem é mal intencionado tem outras maneiras mais fáceis de burlar o trabalho. O governo joga a conta para o empresário também nas campanhas de doação de sangue. Afinal, a moral diz que não deveriamos criar um comércio de sangue e fazer da doação de sangue um capitalismo selvagem ou incentivar comércio de sangue (ou órgãos), só não vale todo mundo querer jogar mais esta conta para o empresário pagar. Não diretamente, mas indiretamente.

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/sp/2012-08-10/agentes-da-cet-em-sao-paulo-doam-sangue-para-faltar-ao-trabalho.html