O governo transfere todas suas responsabilidades e despesas para a empresa

Como se não bastasse todos os impostos que os empresários pagam ao governo, eles ainda transferem mais custos para as costas das empresas. O atendimento em hospitais e prontos socorros públicos são um lixo. Uma empresa hoje é praticamente obrigada a oferecer plano de saúde privado aos seus empregados, custeando pelo menos uma parte disso, se quiser atrair os melhores profissionais. Outra grande carga que é transferida para a empresa é o custo com o FGTS e aviso prévio proporcional. O FGTS inclusive a multa na recisão, aviso prévio ampliado servem para proteger os trabalhadores e sustentá-los depois da demissão. Isto é função do governo. Por isso, ao invés de aumentar os custos de recisão, o governo deveria oferecer um seguro desemprego digno. Logo as empresas vão precisar pagar uma pensão vitalícia para os empregados demitidos como se fosse uma separação de casamento.

Quando um funcionário fica inapto para trabalhar com problemas de saúde por mais de 15 dias, o funcionário deve recorrer ao INSS. Primeiro acho que a empresa não deveria ter que custear 15 dias não produtivos de um funcionário… no máximo uns 5. Segundo que a burocracia do INSS é tão grande e demorada que agora os sindicatos estão exigindo que a empresa custeie estes dias de demora do INSS. São comuns os casos em que o INSS concede a alta médica dizendo que o funcionário pode voltar ao trabalho, mas o médico da empresa não o considera apto. Isso gera um impasse e constrangimento tanto para o funcionário como para a empresa. A empresa não pode correr o risco de aceitá-lo e acabar causando danos ainda maiores ao funcionário.

O plano de aposentadoria compulsorio do governo que desconta uma parcela de todos os funcionários e também da empresa é uma piada. Oferecem uma rentabilidade ridícula e depois os valores pagos na aposentadoria são irrisórios. Este plano não deveria ser compulsório e com certeza as empresas ou os próprios funcionários conseguiriam optar por planos privados mais interessantes e rentáveis.

Em breve vou publicar mais artigos mencionando outras responsabilidades que o governo joga para o empresario.

Funcionário insatisfeito é igual uma maçã podre numa cesta cheia de maças.

Impressionante como as pessoas se espelham nos maus funcionários. Como uma pessoa remando contra consegue desestabilizar um barco com 10 pessoas remando a favor. Essa é a característica da maioria. Pegue um grupo de 10 pessoas: uma pessoa trabalha duro e cumpre todas as regras, e tem outra é mais preguiçosa, atende as ligações durante o expediente e fica batendo papo. Provavelmente os demais vão começar a agir igual ao preguiçoso e discriminar o trabalhador que dá o sangue.

Falo pelos outros mas também por mim. É natural haver este relaxamento se você é a unica pessoa trabalhando duro, e as demais fazendo tudo devagar. É mais ou menos isso que ocorre com os servidores públicos que tem estabilidade e não tem chefes.

É fundamental que a empresa crie mecanismos e incentivos aos funcionários mais produtivos, mas isso na prática requer um controle e organização muito grande que poucas empresas conseguem implantar com sucesso. Por isso, esperamos das pessoas e valorizamos muito as pessoas proativas, que fazem as coisas sem ter que ficar cobrando tudo sempre e ainda proponha melhorias. Empresas que não recompensam os melhores funcionários acabam perdendo-os ou fazendo com que todos entrem no sistema nivelado por baixo. Como a CLT é rigida, adota o principio da isonomia ao pé da letra e direitos adquiridos, muitos empresários como eu nem sabem como implantar um sistema de recompensa justo que não implique reclamações trabalhistas futuras ou grandes prejuízos nas épocas de vacas magras. Uma empresa tem os momentos melhores e acabamos concedendo algumas regalias, mas quando a empresa passa por épocas de aperto não podemos voltar atrás. Somos sempre obrigados a pensar a longo prazo e arriscar pouco.

Um fiscal usa as mesmas estratégias de um sequestrador: ameaça e pânico.

Não sei se isto continua acontecendo tão agressivamente assim (pelo que ouço, não mudou muito). Uma pessoa mal educada, ríspida, com perguntas vagas e sem se identificar entrou em contato por telefone pedindo para falar com um fulano. Por coincidência, o primeiro nome do fulano era o mesmo nome de um dos sócios da empresa, por isso, a chamada foi encaminhada a este funcionário ao invés do sócio da empresa. Ainda muito enigmático, esta pessoa insistia que queria falar com o dono da empresa. Nosso funcionário entrou em pânico pela maneira que a pessoa falava, e por isso não respondia objetivamente as perguntas, o que deixou a pessoa ainda mais furiosa. Em algum momento a pessoa se identificou como um fiscal, mas não deu seu nome completo e apenas deixou um número de celular para retorno. Ou seja, por 2 dias, todos na empresa, inclusive eu, achavamos que fosse algum preso passando trote ou ligando de algum presídio. Estes celulares pré-pagos em poder de prisioneiros tornou-se fato comum hoje em dia. Mesmo nossa contabilidade comentou que nunca tinha visto um primeiro contato desta maneira de um fiscal.

No final das contas, ele realmente era um fiscal, e não um sequestrador. Fez a visita pessoalmente, se identificou. Inverti os papéis, e tive eu que pedir desculpas pelo ocorrido. Ele solicitou vários documentos e arquivos digitais que foram passados pela nossa contabilidade. Fiscal quando quer, fica procurando pelo em ovo até encontrar alguma irregularidade. Afinal nossas leis são intermináveis e permitem várias interpretações. Depois ele ficava ligando direto no meu celular particular dizendo que meus arquivos digitais estavam errados e fazendo ameaças que a empresa iria receber infrações. A contabilidade passou várias vezes e comentou que muitos fiscais mais antigos mal sabem ligar o computador, imagina então para usar os programas que abrem os arquivos digitais. Minha contabilidade insistiu que fazemos tudo direitinho e não precisava temer a fiscalização (100% direito nenhuma empresa no Brasil faz, eu me encaixo nuns 90%), por isso, nunca titubiei ou passou por minha cabeça oferecer propina pro fiscal (que já está acostumado com isso). Depois de toda pressão, o fiscal não encontrou nenhuma irregularidade, ou viu que a empresa não dava muito lucro e que não conseguiria extorquir muito dinheiro. Na verdade, encontrou um erro cuja multa deu um valor irrisório, que eu paguei com muito gosto e encerramos o caso.

Ao finalizar o caso, tive que ir retirar toda a documentação com o fiscal. Fiquei impressionado como ele me tratou bem, estava bem humorado, me insistiu para tomar um café, puxou papo e tudo. Ou seja, no final das contas ele é uma pessoa normal, que tem família, filhos, é bem humorado, mas que está acostumado a vestir uma máscara e ser outra pessoa quando vira “o fiscal”.

Funcionários descontentes nunca pedem as contas, fazem corpo mole para serem mandados embora

A famosa frase “Pede pra Sair” não serve para as empresas. Me convenci nos últimos anos que grande parte dos funcionários que estão descontentes com seu emprego se recusam a pedir demissão. Nos últimos 3 anos, já tive 3 funcionários que vieram conversar comigo pedindo que eu os mandasse embora. Além destes, conheço mais 2 ou 3 casos que já declararam para todo mundo que não estão satisfeitos. Pensamos então o que os faz acordar todos os dias e passar o dia inteiro fazendo uma coisa que eles não gostam?

As leis impões condições muito diferentes quando um funcionário pede as contas ou quando a empresa demite um funcionário. Estou falando da multa do FGTS, seguro desemprego, entre outros. Isso se torna mais gritante para funcionários com 5, 10, 20 anos trabalhando na mesma empresa. Esta situação é um caso típico em que a lei coloca o empregado contra a empresa, joga o patrão (visto como poderoso) e o empregado (coitado). Os sindicatos e os “comunistas” adoram colocar o empresário contra os trabalhadores e apoiar estas leis conflitantes. Já mencionei em outro artigo que não concordo com a multa de 40% do FGTS e que o papel de ajudar um cidadão desempregado é do governo, através de um seguro desemprego digno.

Não vejo problemas em um funcionário chegar para mim e falar sinceramente que não tem mais vontade de trabalhar na minha empresa. Depois de muitos anos fazendo a mesma coisa e infelizmente não ter tido grandes promoções que todos desejam, é normal que as pessoas fiquem desmotivadas e queiram procurar outras oportunidades em outras empresas. Na realidade existem inumeros motivos para uma pessoa ficar insatisfeita no trabalho, mesmo com boa remuneração. É o direito de todos escolher o que achar melhor para si. Ultimamente o mercado está aquecido e provavelmente conseguirá outro emprego rapidamente. Só que se ele quer sair, então que escreva sua carta de demissão e siga as leis (que não foram inventadas pelos empresários). Nossa empresa já fez acordos com funcionários para serem mandados embora, mas depois não devolveram a multa do FGTS. Além de que todos os próximos funcionários vão começar a pedir para serem demitidos com acordo, como se fosse um “direito adquirido” que a empresa tem que fazer com todos.

A maioria dos funcionários preferem ao inves disso fazer corpo mole, ficar batendo papo com todo mundo, causar problemas, faltar ao serviço apresentando atestados, e em casos extremos causar sabotagens, atender mal os clientes e falar mal da empresa para todos os funcionários. Todos sabemos que não conseguiremos provar qualquer malandragem desta que justifique “justa causa”, então na prática, acaba sendo melhor para a empresa mandá-lo embora porque o prejuízo de manter um funcionário desmotivado e influenciando negativamente os outros é maior do que as verbas recisórias. Mas as verbas recisórias são muito altas e muitas empresas não tem condições de arcar com tudo isso.

Mesmo a saída de um funcionário poderia ser programada. O funcionário fala que quer sair, eu contrato um novo funcionário para ser treinado para substituí-lo, e incentivo a pessoa a procurar um novo emprego não descontando do salário eventuais saidas para entrevistas de emprego. Ooops. Isto na realidade já existe e chama-se “aviso prévio”. Também na prática não funciona muito pois os empresários ficam com medo de que durante o aviso prévio o funcionário poderá prejudicar a empresa de alguma forma, apagando dados dos computadores, influenciando outros funcionários, atendendo mal os clientes, etc. Já vi muito isso acontecer.

Note que mesmo que o funcionário fique totalmente improdutivo, fazendo corpo mole, a empresa continua cumprindo sua parte, pagando seu salário integralmente e dando todos os benefícios da lei.

Assim como na maioria dos meus artigos, menciono que eu não quero generalizar. Existem muitos funcionários que dão o sangue pela empresa, vestem a camisa e não fazem este tipo de coisa.

Empresas serão proibidas de demitir funcionários sem justa causa!

Este assunto foi trazido a tona em 2008 e pode ser verificado no site da Folha: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u394641.shtml

Um dos poucos direitos que os empresários tem hoje é contratar e poder demitir quem quiser (analisando bem, nem esse direito temos, analiso em outro artigo). A sociedade não pode aceitar que este projeto avance e tenho certeza que em breve este assunto surgirá novamente: proibir empresas de demitir funcionários “sem justa causa”. Querem transformar as empresas privadas em empresas estatais onde todo mundo tem estabilidade vitalícia? Quem tem empresa sabe que é praticamente impossível mandar qualquer funcionário hoje “por justa causa”. A dor de cabeça e pressão dos sindicatos é tão grande que no final das contas, a empresa prefere ter que pagar todas as multas e verbas recisórias e se livrar logo do funcionário problemático do que ter que ficar brigando na justiça sem muita esperança. É impressionante como um funcionário problematico ou desmotivado pode influenciar negativamente todos ao seu redor e causar mais problemas para acelerar sua dispensa.

Isso é coisa de Cuba ou URSS. Sabendo que a pessoa não poderá ser mandada embora, a acomodação vai ser geral. O resultado vai ser empresas pouco produtivas e pouco lucrativas e com certeza os trabalhadores acabarão ganhando menos. Como queremos ter competitividade fora do Brasil desse jeito?

Levantou-se a possibilidade de acabar com a multa de 40% do FGTS, mas sabemos que isso nunca vai ser aceito pelos sindicatos. (Isso é o de menos).

Este assunto é tratado como se o empresário gostasse de mandar pessoas embora sem nenhuma razão. Se a pessoa está sendo mandada embora, alguma justificativa plausível sempre tem. O mais comum é desmotivação, falta de produtividade ou problemas financeiros mesmo. Não é bom para nenhuma empresa ter a rotatividade alta: altos custos recisórios, tempo de treinamento dos funcionários, integração social da pessoa no grupo, dificuldade e demora no recutramento de novos funcionários, o tempo que a empresa ficará com produção mais baixa até que o novo funcionário seja produtivo, etc. Ou seja, demissão é ruim para o funcionário e também para a empresa e todos queremos evitar, mas não criando leis de estabilidade.

Aviso prévio proporcional !! Mais uma que surgiu de repente!!

Não acredito que estão aumentando ainda mais os custos de recisão de um empregado !! Todos sabemos que ser mandado embora não é uma situação agradável para ninguem e que as pessoas passam por muitos apertos financeiros, mas jogar mais uma responsabilidade dessa nas costas da empresa??? Logo vão inventar que terei que sustentar o empregado pro resto da vida, como se fosse uma pensão alimentícia de casais que se separam !!!

A empresa já paga o Fundo de Garantia, tem mais a multa do FGTS, aviso prévio de 30 dias, férias, décimo terceiro… ou seja, o custo para dispensar um funcionário hoje é altissimo !!

Aqui na empresa, assim como muitas outras, mesmo passando por dificuldades, preferimos não mandar pessoas improdutivas embora !!! Isso é assunto para outro artigo !!!

O aviso prévio já diz “aviso”, mas no Brasil quer dizer “pagamento”. Se uma pessoa for dispensada sem justa causa, a empresa terá que pagar até 90 dias de “aviso” prévio, mesmo que não seja “aviso prévio indenizado”, ela só terá que trabalhar mais 30 dias. E se o funcionário pedir demissão, vai ter que cumprir 90 dias de aviso prévio? Não sei se já existe entendimento sobre isso, mas algo me diz que não. Ou seja, dois pesos, duas medidas.

Agora o fim da picada é o questionamento se isso será retroativo desde 1988. Como um funcionário irá me cobrar por algo que eu nem sabia que tinha que pagar? Vai sair da onde este dinheiro? Tem muita empresa vendendo o almoço para comprar a janta e ainda existem “experts” dando entrevista na televisão para que haja retroatividade??

Finalizo dizendo que o sustento de desempregados é função do governo !! Aumentem o valor do seguro desemprego ao invés de colocar tudo nas costas das empresas !! Todos nós pagamos muitos impostos para isso !

Sindicatos do trabalhador: Sanguessugas que recebem mais de R$2 bilhões por ano

Vocês sabiam que as contribuições sindicais rendem mais de R$1,7 bilhão aos sindicatos ? Já li em outros lugares que ultrapassam R$2 bilhões !! Que robalheira é essa ? Isso porque não temos como fazer uma auditoria mais profunda nisso !! Não me espantaria em saber que o valor é maior !!! Afinal eles são intocáveis e não precisam prestar contas para ninguem !! O que pode existir de tão secreto nisso ? É caso de segurança nacional ? Por isso tem tanto sindicato saindo no tapa e cada vez mais novos sindicatos querendo esse dinheiro na moleza!

Não sou eu que digo isso, está no Estadão: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,o-malfadado-imposto-sindical-,822508,0.htm

O que não fala ai é que existe a opção do trabalhador se recusar a fazer este pagamento, mas eles dificultam de tal maneira que fica quase impossível alguem se dispor a fazer isso !! O funcionário deve ir pessoalmente ao sindicato, escrever uma carta a próprio punho e existe apenas 1 dia para fazer isso. Se você chegar lá depois das 15 horas, eles podem fechar a porta na sua cara ! Atendem o telefone quando querem e não passam informações claras ! Por isso, sou a favor que todas as empresas deixem seus funcionarios serem liberados por uma tarde para cumprir este ritual burocrático ! Aqui na empresa com quase 50 funcionários, essa contribuição deve dar uns R$4 mil. É uma taxa de visita bem alta considerando que eles aparecem aqui uma vez por ano!!

O pior é que ainda inventam outras contribuições: assistencial, confederativa, retributiva e por ai vai !! Você recebe um boleto do sindicato mencionando várias leis dizendo que você é obrigado a pagar a conta !! Você consulta seu contador e também artigos na internet e descobre que existem controvérsias a respeito !!! Como assim? Ficam inventando conta para pagar e o pior é que existe uma lei para isso e ninguem sabe te dizer se eu pago ou não afinal a conta !! Nunca tive um titulo protestado na vida empresarial e corro o risco de ter que pagar tudo isso retroativo? Quem fala “na dúvida, pague”, com certeza fala isso porque o dinheiro não sai do bolso dele !

Pior é o sindicato que chega com megafone na porta da empresa fazendo barulho e falando um monte de abobrinha para a vizinhança inteira ouvir !!! Seguimos todas as leis da CLT e eles ainda querem vir negociar mais coisa?? Faça o mesmo com um funcionário e ridicularize-o na frente de todo mundo para ver o que acontece !! Multa por danos morais altíssima e ainda vira capa de jornal !! Mas o sindicato pode !!! Não poderia haver uma carta de advertência antes ??

Tem mais ainda: para todo acordo firmado com o sindicato existe uma taxa ou percentual que será pago ao sindicato !! Não estão satisfeitos com R$2 bilhões !! Num acordo de PLR aqui da empresa eles embolsaram 20% dos valores que deveriam ir para os funcionários. É o cafézinho institucionalizado ! Pedágio ! Jeitinho bem brasileiro mesmo ! Ouvi falar em uma greve numa empresa de construção onde a empresa teve que dar não sei quantos computadores para o sindicato aceitar um acordo !! Ou seja, o sindicato só quer saber de ganhar dinheiro em cima dos empregados !

Num país onde uma mão lava a outra, todo mundo ganha, e a população de empresários e trabalhadores ficam com quase nada !

Queria ver se os sindicatos fossem empresas mesmo (como qualquer outra empresa com fins lucrativos) e não existisse lei que garantisse verbas milhonárias. Seria uma empresa de serviços de “consultoria ou assessoria sindical”. Precisariam trabalhar de verdade, ter um departamento de marketing para promover o produto, fazer anúncio em revista, tratar bem os clientes e fornecedores, ISO 9001, contratar uma equipe de vendedores para fazer as visitas (com pagamento de comissão), livre concorrencia entre os sindicatos, emitir nota fiscal de serviços, pagar todos os encargos trabalhistas, impostos e por ai vai !!! Acho que essa empresa iria pedir falência em menos de 1 ano !!!